Mercado de Escravos de Lagos é monumento de interesse público

Mercado de Escravos de Lagos é monumento de interesse público

253
PARTILHE
Mercado de escravos de Lagos
Edifício testemunha ligação da cidade aos Descobrimentos

O edifício construído no local onde funcionou o que se presume tenha sido o primeiro Mercado de Escravos da Europa quatrocentista, em Lagos, foi classificado como monumento de interesse público, segundo uma portaria publicada na passada terça-feira em Diário da República.

Datado de 1691, o mercado foi o último dos edifícios de apoio à praça-forte de Lagos a ser construído, sobre o que restava de um antigo edifício quatrocentista que servira para venda de escravos, na Praça Infante D. Henrique.

O imóvel serviu no século XVII para acomodar o Corpo da Guarda, integrando-se no contexto de racionalização dos recursos e de especialização dos espaços que deu origem à Oficina do Espingardeiro (ex-Quartel da Coroa) e ao vizinho Armazém Regimental.

“Trata-se de um monumento de grande impacto urbanístico e um dos mais emblemáticos da cidade, constituindo-se em vértice da principal praça de Lagos”, segundo a portaria.

- Pub -

O texto refere, ainda, que o local testemunha a “umbilical” ligação da cidade “à empresa dos Descobrimentos e cristaliza, até à actualidade, a memória do local onde se instalou o provável primeiro mercado de escravos da Europa quatrocentista”.

“Para além do seu inegável valor histórico, o edifício detém elevada qualidade arquitectónica, concretizada no traçado racional, erudito e simétrico, e na harmoniosa composição de volumes da sua estrutura maneirista”, conclui.

A portaria que classifica o imóvel como monumento de interesse público foi assinado a 20 de Fevereiro de 2014 pelo secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier.

Igreja e Hospital da Misericórdia de Faro classificados monumentos de interesse público

Uns dias antes, a 17 de Fevereiro, foi publicada outra portaria do Gabinete do secretário de Estado da Cultura, que classificava como monumento de interesse público a Igreja e o Hospital da Misericórdia de Faro.

A igreja, que se estende pela Rua João Dias, Rua da Misericórdia e Praça Dom Francisco Gomes, foi levantada no local da ermida manuelina do Espírito Santo, ligada ao hospital, erguido após a transferência do centro urbano das Alcaçarias para a zona ribeirinha de Faro em 1499.

O antigo hospital quinhentista foi reconstruído pelo arquitecto genovês Francisco Xavier Fabri no início do século XIX, a par da reformulação neoclássica da fachada do templo, em cujo pórtico se conservam alguns elementos barrocos.

Segundo a portaria, o complexo que integrava a igreja e o hospital, constituíram um dos equipamentos fundamentais da reestruturação urbana da cidade medieval.

Na igreja, merecem ainda destaque a planta em cruz grega, caso ímpar na região algarvia, bem como a talha de grande qualidade do interior, nomeadamente o retábulo maneirista da capela-mor, refere o texto.

O edifício anexo do hospital integra ainda uma galeria de arcadas redondas no piso térreo.

(Agência Lusa)

Facebook Comments
PARTILHE
Email: jornalpostal@gmail.com

Comentários no Facebook