Justiça trava despacho das Finanças

Justiça trava despacho das Finanças

374
PARTILHE
Tribunal administrativo do Porto travou decisão das finanças
Tribunal Administrativo do Porto travou decisão das finanças

As empresas que usem ou tenham usado o programa de facturação iECR, cuja certificação pela Autoridade Tributária foi revogada por despacho do secretário de Estado das Finanças, Paulo Núncio, podem voltar a utilizá-lo depois de, na tarde de ontem, o Tribunal Administrativo do Porto (TAP) ter determinado a suspensão do despacho daquele membro do Governo (VER).

A decisão do TAP, a que o POSTAL teve acesso, determina a citação do Ministério das Finanças de que “não pode iniciar ou prosseguir a execução do acto [despacho do secretário doe Estado], excepto se proferir resolução fundamentada”.

Ainda de acordo com o TAP o Ministério das Finanças “dispõe de dez dias para deduzir oposição” à providência cautelar que foi intentada no final do mês de Abril pela empresa responsável pelo programa iECR, a Time Return.

A decisão do TAP suspende por agora a revogação da certificação do iECR pelo Ministério das Finanças até à decisão definitiva da providência cautelar, sendo que a decisão definitiva da questão jurídica de fundo depende da instauração de uma acção principal por parte da Time Return.

- Pub -

Por outro lado, a decisão do TAP é fundamento legal para obstar a qualquer acto administrativo da Autoridade Tributária, nomeadamente aplicação de coimas e levantamento de autos, que tenha por fundamento o despacho de secretário de Estado Paulo Núncio.

À espera da posição do Governo

Entretanto, e sem ser possível saber nesta altura que reacção tem o Governo face à decisão judicial, nem se da mesma foi já notificado, o sítio on-line da Autoridade Tributária mantém (VER) a informação de que “o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, emitiu hoje [24 de Abril] despacho em que determina a revogação do certificado do programa de facturação iECR, com o n.º 1194, na medida em que existem fundados indícios de utilização fraudulenta do referido programa e o mesmo não cumpre com os requisitos de certificação legalmente previstos. Os sujeitos passivos que possuam este programa devem cessar de o utilizar a partir de hoje, para todos os efeitos legais.”

A utilização de programas certificados de facturação é obrigatória para os sujeitos passivos de IRC, IRS e IVA que tivessem um volume de negócios anual superior a 100 mil euros e a Autoridade Tributária e Aduaneira anunciou que as facturas emitidas após a data do despacho do Governo seriam consideradas ilegais, passíveis de coima, refere a Agência Lusa.

A agência noticiosa diz ainda que a Autoridade Tributária e Aduaneira revelou que foi apresentada no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) uma participação crime contra a empresa responsável pelo programa certificado de facturação, por “alegada prática de crime de falsidade informática”.

Em declarações à agência Lusa, o bastonário dos Técnicos Oficiais de Contas, Domingues de Azevedo, disse hoje desconhecer o processo que deu origem à decisão, mas explicou que a revogação do certificado de um programa de facturação, apesar de inédita, é um ato administrativo, cuja competência pertence ao Governo.

VEJA abaixo a decisão do TAP na íntegra:

Despacho do Tribunal Administrativo do Porto 1/3
Despacho do Tribunal Administrativo do Porto 1/3
Despacho do Tribunal Administrativo do Porto 2/3
Despacho do Tribunal Administrativo do Porto 2/3
Despacho do Tribunal Administrativo do Porto 3/3
Despacho do Tribunal Administrativo do Porto 3/3

 

 

Facebook Comments

Comentários no Facebook