Projecto cal intervém na baixa de Faro

Projecto cal intervém na baixa de Faro

212
PARTILHE
Dezasseis euros deram para caiar 200 metros quadrados de fachada
Dezasseis euros deram para caiar 200 metros quadrados de fachada

Dezasseis euros e 14 pessoas podem começar a fazer a diferença e foi exactamente isso que se passou em Faro, com a primeira jornada do ‘Projecto Cal’, uma iniciativa da Ambifaro em parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Catorze alunos do curso de Reabilitação Urbana do Centro de Emprego e Formação Profissional (CEFP) do Areal Gordo, tiveram uma aula prática fora do centro de formação e conseguiram caiar cerca de 200 metros quadrados de fachadas de edifícios das ruas do Compromisso e do Prior e da Travessa de São Pedro, na baixa da cidade.

“Devolvemos dignidade a algumas fachadas de casas que estavam em avançado estado de degradação”, disse ao Postal Bruno Lage, presidente da Ambifaro, que afirma querer “repetir a iniciativa em Setembro, que é quando começa um novo curso desta área no CEFP”.

Entretanto, o responsável da empresa municipal avança que “foram várias as pessoas que me contactaram e que querem participar neste tipo de iniciativas”, razão pela qual Bruno Lage já pensa em alargar o projecto à sociedade civil. “Ambicionamos que se consiga levar a cabo uma acção com muito maior dimensão”, confessou o dirigente ao Postal.

- Pub -

Cal, um material típico

A opção pela cal prende-se com o facto de ser “um tipo de produto típico da região algarvia, com as tradicionais casas caiadas de branco e com o baixo custo”, diz Bruno Lage. Ao todo nesta edição da iniciativa foram utilizados 22 quilogramas de cal com um custo total de 16 euros.

A diferença é notória nas fachadas intervencionadas, como o Postal testemunhou, muito embora em algumas delas a degradação justificasse uma intervenção mais profunda.

O presidente da Ambifaro concorda, “estamos a analisar a possibilidade de em alguns casos, em próximas iniciativas no âmbito deste projecto, efectuarmos algumas intervenções ao nível do reboco das fachadas”, refere.

Facebook Comments

Comentários no Facebook