Câmara de São Brás desespera por funcionários

Câmara de São Brás desespera por funcionários

251
PARTILHE
O autarca de São Brás de Alportel recorda que a autarquia tem as contas em dia
O autarca de São Brás de Alportel recorda que a autarquia tem as contas em dia

O presidente da Câmara de São Brás de Alportel entregou esta semana ao ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional um pedido de regime excepcional de contratação para poder reforçar o quadro de pessoal de vários serviços camarários daquele concelho algarvio.

“Estamos com muita dificuldade para conseguir prestar o serviço que gostaríamos e que por lei temos de prestar à nossa população porque temos uma grande carência de funcionários operacionais em áreas como a recolha de resíduos, saneamento básico e serviço de águas”, explicou à Lusa o autarca de São Brás de Alportel.

Vítor Guerreiro contou que quando um funcionário do serviço de recolha de resíduos entra de baixa médica o camião de recolha não pode funcionar e o município tem de contratar uma empresa privada, situação que disse ser mais dispendiosa.

O impedimento surge através da Lei n.º3-B/2010, Lei de Orçamento do Estado para 2010, para a limitação de recrutamento de pessoal nos serviços públicos. 

- Pub -

Câmara tem falta de 12 funcionários

O pedido não é de agora, Vítor Guerreiro contou que o problema já era sentido no início deste mandato autárquico, altura em que em reunião com o secretário de Estado das Autarquias Locais recebeu a promessa de que o Governo iria ponderar um regime de excepção para as autarquias que têm capacidade financeira.

Vítor Guerreiro disse não ter recebido até hoje resposta ao pedido e que, desde então, já se reformaram mais alguns funcionários, tendo o município falta de 12 funcionários.

“Acaba por ser caricato, nós sermos limitados nas despesas com pessoal e não podermos aumentar o número de funcionários como se não soubéssemos gerir a nossa casa (…) mas se quiséssemos gastar dinheiro em actividades culturais, artistas e festas por lei podíamos fazê-lo”, comentou, frisando que a autarquia não tem dívidas e tem os pagamentos em dia.

Para colmatar a falta de funcionários a autarquia tem recorrido a pessoas inscritas no Instituto de Emprego e Formação Profissional através dos contratos Emprego-Inserção.

Vítor Guerreiro considera que esta solução não é adequada até porque esses funcionários têm direito a um dia para procurar trabalho e se arranjarem colocação vão embora deixando os serviços da Câmara quando finalmente já estavam inteirados dos procedimentos.

(Agência Lusa)

Facebook Comments
PARTILHE
Email: jornalpostal@gmail.com

Comentários no Facebook