Governo revela novos números do enquadramento orçamental

Governo revela novos números do enquadramento orçamental

2974
PARTILHE
Ministra das Finanças traça no rectificativo um novo cenário previsional de enquadramento
Ministra das Finanças traça no rectificativo um novo cenário previsional de enquadramento

O Governo, que na passada terça-feira discutiu em Conselho de Ministros o segundo orçamento rectificativo para este ano, incluiu no documento a submeter à Assembleia da República um novo quadro económico previsional.

Este que é o desenho da previsão do Governo para as principais variáveis económicas internas, reviu em alta o valor da dívida pública para este ano, fixando-o nos 130,9% do Produto Interno Bruto (PIB). Um aumento de 0,7 pontos percentuais (pp) face às previsões mais recentes, disse hoje a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.

“Fazemos uma revisão do que é a previsão da dívida para os 130,9% do PIB [Produto Interno Bruto]”, disse Maria Luís Albuquerque.

No cenário macroeconómico mais recente, apresentado em Abril, no Documento de Estratégia Orçamental (DEO) e agora revisto, o Governo estimava que a dívida pública se fixasse nos 130,2% do PIB este ano.

- Pub -

O Orçamento do Estado para 2014 previa uma dívida pública de 126,6% do PIB, pelo que é a segunda vez que o valor da dívida é revisto em alta. São aliás vários os economistas que antevêem a continuação da subida da dívida para valores ainda superiores aos actuais, nomeadamente devido à necessidade de acomodar nesta rúbrica valores oriundos das contas das empresas públicas por determinação da União Europeia. 

Desemprego em baixa e PIB a subir

No cenário criado pelo Ministério das Finanças para vigorar a partir deste rectificativo as boas notícias vêm dos números do desemprego, com o executivo a prever que a respectiva taxa atinja 14,2%, revelou hoje a titular das Finanças.

Também o PIB previsto acusa melhorias. O Estado fixa a previsão de crescimento do produto em 1%, com a receita fiscal e a receita da Segurança Social a acompanhar o desempenho da economia, prevendo-se agora que aumentem 0,7% e 0,3% do PIB, respectivamente.

O Orçamento do Estado de 2014 foi feito tendo por base um crescimento do PIB de 0,8% e uma taxa de desemprego de 17,7% para este ano, por isso estes ajustamentos ao cenário macroeconómico no orçamento rectificativo têm um efeito favorável nas contas públicas.

Confiança dos consumidores e clima económico com dados mistos

Entretanto o Instituto Nacional de Estatística revelou que o indicador de confiança dos consumidores diminuiu “ligeiramente” em agosto, após registar o valor mais elevado desde Janeiro de 2007. Para o INE este indicador suspendeu o “acentuado movimento ascendente” observado desde o início de 2013, o que ficou a dever-se ao contributo negativo das perspectivas relativas à evolução da poupança e da situação económica do país.

Quanto ao indicador de clima económico fixou-se no máximo desde Julho de 2008, divulgou hoje o instituto, assinalando que o mesmo recuperou “ligeiramente” em Agosto, prolongando o perfil crescente iniciado em Janeiro de 2013.

(com Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook