Refer ignora poderes regionais

Refer ignora poderes regionais

274
PARTILHE
Rui Loureiro, presidente da Refer esteve no Algarve
Rui Loureiro, presidente da Refer esteve no Algarve

Jorge Botelho, presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve, é claro “a AMAL não foi até ao momento contactada pela Refer sobre quaisquer projectos de obras na linha do Algarve, nem foi contactada para acompanhar o presidente da Refer na visita que terá feito à linha do Algarve recentemente”.

A resposta dada ao POSTAL vem no seguimento da visita que o presidente da empresa responsável pela infra-estrutura ferroviária nacional fez à região, na passada semana, onde anunciou investimentos de 120 milhões de euros na ferrovia regional (VER).

Para Jorge Botelho, “tratou-se de uma visita para anunciar obras na linha do Algarve para o horizonte 2016 – 2021, que são positivos mas que até ao momento não têm qualquer contributo da estrutura representativa das autarquias da região”, a AMAL.

O também autarca de Tavira afirma “desconhecer qualquer estudo ou projecto que a Refer esteja a utilizar para definir as intervenções a realizar na linha do Algarve” e não compreende que uma intervenção desta importância possa ser feita à revelia de uma consulta prévia aos municípios que são, afinal, quem mais de perto conhece as necessidades das populações da região.

- Pub -

CCDR também não tem informação

Por outro lado, o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve confirmou ao POSTAL que até à passada segunda-feira “não tinha conhecimento directo de nenhuma das intenções da Refer em termos concretos”.

Muito embora o presidente da Refer afirme que vai ouvir as autarquias da região no processo de requalificação da linha do Algarve, certo é que até ao momento as decisões da Refer ignoram por completo os poderes regionais e parecem remeter a respectiva intervenção para um momento em que a empresa já terá ideias concretas do que quer fazer.

Esta é uma realidade que pode pôr em causa a eficiência das decisões a tomar face às necessidades das populações e uma intervenção deste relevo na ferrovia não é compaginável com outra situação que não a da integração plena e permanente de todos os decisores políticos algarvios no planeamento dos projectos e obras.

Refer já tem decisões

A falta de sinergias entre a Refer e os poderes locais e regionais é já notória, com o presidente da Refer a afirmar à Agência Lusa que não estão equacionadas nenhumas variantes ao actual traçado da linha do Algarve.

A existirem alterações estruturais não serão desvios para aproximar ou afastar a linha dos seus percursos actuais, mas sim “a eventual relocalização de algumas estações no Algarve, o que passa por criar novas e abandonar outras mais antigas”, acrescentou Rui Loureiro, lembrando que a linha do Algarve foi criada há mais de 100 anos”, refere o responsável.

Numa primeira fase avança a electrificação da linha, diz o titular da Refer, esclarecendo que “os trabalhos devem iniciar-se em 2016, estando a sua conclusão prevista para 2019”. A mesma bitola será seguida para a intervenção ao nível da sinalética e sistemas de gestão de tráfego.

A electrificação atingirá a totalidade dos troços ainda não electrificados que ligam Tunes a Lagos e Faro a Vila Real de Santo António.

A electrificação da linha na totalidade é prioritária para a Refer
A electrificação da linha na totalidade é prioritária para a Refer

Aeroporto terá comboio em 2012

Para 2021 está prevista a conclusão do ramal de ligação ao Aeroporto de Faro, que permitirá a circulação de mercadorias e passageiros desde e para a principal porta internacional de comunicação do Algarve, uma obra que se entronca com a plataforma logística de Loulé.

O início das obras para a concepção do ramal para o aeroporto só está previsto para 2017, e só esta obra está orçada em mais de 60 milhões de euros.

A electrificação da linha do Algarve vai permitir que os comboios utilizados passem todos a ser eléctricos, possibilitando que atinjam maior velocidade e que sejam mais frequentes, em termos de horários, o que resultará numa melhoria do serviço, perspectivou o presidente da Refer, que percorreu a linha regional numa viagem de reconhecimento da realidade no terreno.

Assumindo que a linha necessita de algumas correcções, Rui Loureiro observou, contudo, que a plataforma “está bastante razoável” e a colocação de sinalização é prioritária para garantir a segurança dos comboios e maior pontualidade.

Entretanto, resta esperar que as autoridades regionais e locais não sejam tardiamente confrontadas com projectos fechados e convidadas a pronunciarem-se formalmente sobre uma matéria fundamental, deixando-lhes apenas o espaço de manobra necessário para contestarem decisões já tomadas nos corredores de outros poderes.

Facebook Comments

Comentários no Facebook