Vila do Bispo apoia projecto de investigação na costa de Sagres

Vila do Bispo apoia projecto de investigação na costa de Sagres

198
PARTILHE
Adelino Soares, presidente da Câmara de Vila do Bispo, e Edgar Ribeiro, comandante da Escola Naval, na assinatura do protocolo de colaboração
Adelino Soares, autarca de Vila do Bispo, e Edgar Ribeiro, comandante da Escola Naval, na assinatura do protocolo de colaboração

Um protocolo referente ao projecto “As Operações do U-35 na Costa de Sagres (1917)” foi assinado na passada quarta-feira, pelo presidente da Câmara de Vila do Bispo, Adelino Soares, e pelo comandante da Escola Naval, contra-lmirante, Edgar Ribeiro.

No decorrer da cerimónia, ambos usaram da palavra onde destacaram a colaboração entre as duas entidades, o interesse do projecto e todo o esforço desenvolvido em prol da cultura e investigação científica.

Em seguida, após uma breve introdução à temática da 1.ª Guerra Mundial, os dois responsáveis pelo projecto, Augusto Salgado e Jorge Russo, procederam à sua apresentação pública, dando a conhecer os trabalhos desenvolvidos até ao momento no campo da investigação documental e no mar, onde se encontram desde o passado dia 31 de Agosto e onde permanecerão até o próximo sábado.

A interessada audiência teve, ainda, o privilégio de assistir a um curioso documentário realizado por um cineasta que se encontrava embarcado no submarino alemão e que registou vários pormenores da sua odisseia, entre os quais imagens da costa do nosso concelho captadas em 1917!

- Pub -

O projecto envolve a realização de trabalhos de investigação científica em ambiente marítimo ao largo da costa sul do concelho de Vila do Bispo nas zonas de localização dos destroços de quatro navios mercantes aqui afundados no dia 24 de Abril de 1917 pelo submarino da Marinha Imperial Alemã U-35, então, comandado por Lothar von Arnauld de la Perière, um oficial de Marinha que se revelou um verdadeiro flagelo para a navegação inimiga, em plena 1.ª Guerra Mundial.

A investigação além de permitir identificar (com o apoio do diário daquela unidade naval alemã, por exemplo) os locais de afundamento e os restos dos navios (ou respectivos indícios), permitirá obter outras informações em termos de uso de tecnologia naval em contexto arqueológico, de biologia marinha e de inquestionável valência cultural, detentoras de grande importância em termos turísticos, nomeadamente em meio aquático.

 

Facebook Comments

Comentários no Facebook