Serviços mínimos definidos para a TAP

Serviços mínimos definidos para a TAP

355
PARTILHE
Governo lança mão da figura legal da requisição civil na TAP pela terceira vez
Governo lança mão da figura legal da requisição civil na TAP pela terceira vez

O Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social (CES) decretou hoje os serviços mínimos para a greve entre 27 e 30 de Dezembro na TAP, que prevêem a realização de voos para os Açores, Madeira, Brasil, Angola e Moçambique.

De acordo com a decisão divulgada hoje, vão ser realizados todos os voos programados de e para a Região Autónoma dos Açores, bem como três voos Lisboa/Funchal, em cada um dos dias de greve, e de três voos Funchal/Lisboa, também em cada um dos dias de greve.

Além destes, o Tribunal Arbitral decidiu ainda, por unanimidade, a realização dos voos Lisboa/Maputo/Lisboa, nos dias 28 e 30 de Dezembro e dos voos Lisboa/Luanda, de 27 a 30 de Dezembro, e de Luanda/Lisboa dos dias 28 a 30 de Dezembro.

Para o Brasil, foram incluídos nos serviços mínimos a realização de um voo Lisboa/Rio de Janeiro em cada um dos dias de greve; no que respeita aos voos Rio de Janeiro/Lisboa, serão realizados um voo no dia 27 e no dia 29 de Dezembro e dois no dia 30 de Dezembro.

- Pub -

Já para São Paulo, os serviços mínimos previstos são um voo Lisboa/São Paulo em cada um dos quatro dias de greve e, no sentido oposto, um voo nos dias 28, 29 e 30 de Dezembro.

Além destes, como é habitual, foram considerados serviços mínimos os voos de regresso directamente para o território nacional para as bases de Lisboa e do Porto, conforme o respectivo planeamento inicial.

Os serviços mínimos foram decretados hoje depois de na quinta-feira o Governo ter aprovado a requisição civil de cerca de 70% dos trabalhadores da TAP, permitindo realizar todos os voos previstos para os quatro dias da greve, marcada para contestar a privatização da companhia aérea.

De acordo com o ministro da Economia, Pires de Lima, os 1.141 voos programados para os dias 27, 28, 29 e 30 de Dezembro vão realizar-se, tendo manifestado confiança de que os trabalhadores do grupo abrangidos pela requisição respeitarão a decisão tomada pelo Governo.

Em declarações aos jornalistas, no final do Conselho de Ministros de quinta-feira, o governante defendeu que “os portugueses não compreendem a greve”, convocada por 12 sindicatos, e que “menos compreenderiam um eventual desrespeito pela requisição civil”.

Fonte oficial da TAP explicou hoje à Lusa que a empresa não apresentou ao Tribunal Arbitral uma proposta de serviços mínimos, já que “seria contraditório com a decisão do Governo de avançar para a requisição civil”.

Agência Lusa

Facebook Comments

Comentários no Facebook