Câmara de Lagos atribui nome de Laurete Fonseca a rua da cidade

Câmara de Lagos atribui nome de Laurete Fonseca a rua da cidade

498
PARTILHE
Laurete foi uma acérrima defensora dos direitos dos emigrantes portugueses, em França, nos anos 60/70
Laurete foi uma acérrima defensora dos direitos dos emigrantes portugueses, em França, nos anos 60/70

A Câmara de Lagos prestou homenagem à cidadã lacobrigense Laurete de Jesus Fonseca (1936-2001), perpetuando o seu nome na história da toponímia da cidade de Lagos. A cerimónia de descerramento desta placa decorreu no passado sábado e contou com a presença de vários familiares e amigos.

A cerimónia foi composta por dois momentos: uma Sessão Solene de Homenagem a Laurete de Jesus Fonseca, em reconhecimento pelo seu importante papel na defesa dos direitos dos Emigrantes Portugueses, em França, nos anos 60/70 e um segundo momento que consistiu no descerramento da placa toponímica, atribuída a uma rua situada na Urbanização do Porto de Mós.

O primeiro momento, que teve lugar no Auditório dos Paços do Concelho Séc. XXI, para além do executivo municipal, contou com a presença de vários familiares e amigos que não quiseram deixar de estar presentes nesta homenagem que, de acordo com as palavras da presidente da Câmara de Lagos “é mais do que justa e merecida, uma vez que uma mulher como a Laurete, correta, exemplar, e que viveu ajudando os seus próximos, merece fazer parte da história da cidade”.

Para a autarca, “é com muita honra que se presta esta homenagem que perpetua a memória desta grande cidadã lacobrigense, fazendo justiça à sua figura e, simultaneamente, dando a conhecer o seu exemplo de vida às gerações mais novas”.

Por seu turno, Carlos Fonseca, marido de Laurete agradeceu, visivelmente comovido, à autarquia esta homenagem que, segundo o mesmo, “não é à minha esposa, nem à mãe dos meus filhos, mas sobretudo à grande mulher que ela foi”. Aproveitou a presença de tantos amigos para recordar vários episódios das suas vidas, desde que saíram de Portugal, passando pela Argélia, e pela França (Massy), onde decidiram viver, mas onde passaram muitas provações. Carlos Fonseca, que não se apelida de português, nem francês, mas sim “um algarvio de Lagos” diz ainda hoje “não ter percebido porque passaram por tantas dificuldades apenas pelo facto de terem ajudado outras pessoas”, mas que se sentiu, sempre, “orgulhoso” da sua mulher.

Depois de alguns amigos também terem deixado o seu testemunho em relação a Laurete, inclusivamente o vereador Paulo Jorge Reis, que conhece a família há muitos anos, com quem passou várias férias de Verão, e que destacou a “determinação de Laurete em tudo na vida”, seguiu-se o momento do descerramento da placa toponímica, situada numa rua da Urbanização do Porto de Mós.

Facebook Comments

Comentários no Facebook