Bombeiros de Vila Real passam a fazer turnos de 12 horas

Bombeiros de Vila Real passam a fazer turnos de 12 horas

506
PARTILHE
Acordo, Banco de horas, Horário, Sindicato, Vila Real de Santo António
Acordo foi alcançado após longas negociações entre a direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros e o sindicato

Os bombeiros profissionais de Vila Real de Santo António vão fazer horários de 12 horas consecutivas e autorizaram a criação de um banco de horas, na sequência de um acordo alcançado com a Associação Humanitária, disse fonte sindical.

O acordo foi alcançado após “longas negociações” entre a direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Real de Santo António e o Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais, disse o presidente da estrutura sindical, Sérgio Carvalho, que destacou “as cedências de parte a parte” para chegar a um entendimento.

Os bombeiros solicitaram a intervenção do sindicato depois de a direcção da Associação Humanitária ter definido os horários de trabalho e ter colocado os profissionais a fazerem madrugadas durante quatro meses consecutivos, situação que causou descontentamento entre os elementos da corporação atingidos, explicou a mesma fonte.

Bombeiros aceitaram criação de banco de horas

Face à crise e às dificuldades financeiras das corporações, “às quais a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Real de Santo António não é imune”, a direcção “também estava a sentir dificuldades para cumprir com o pagamento das horas extraordinárias aos profissionais”, que acabaram por aceitar a criação do banco de horas, disse Sérgio Carvalho.

“Os bombeiros passam a fazer mais horas, porque em vez de horários de oito horas, passam a fazer horários de 12 horas consecutivas, mas isso permite libertar uma das três equipas que seriam necessárias para preencher as 24 horas do dia e que esses profissionais descansem convenientemente”, disse, frisando que esta solução pode trazer vantagens operacionais e permitir a criação de mais uma equipa de combate a fogos florestais no próximo ano.

Os bombeiros aceitaram, por seu lado, a criação do banco de horas e isso permite à corporação não ter que pagar as horas extraordinárias, contrapôs Sérgio Carvalho.

“Houve cedências de parte a parte e, assim, todos ficam satisfeitos. Quero destacar a grande abertura que a direcção da Associação Humanitária teve para podermos chegar a este entendimento”, afirmou ainda o dirigente sindical.

A Lusa tentou obter, sem sucesso até agora, uma reacção da Associação Humanitária ao acordo alcançado com o Sindicato.

O Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais (SNBP) tinha anunciado num comunicado que, a partir de 1 de Outubro, passaria “a vigorar o horário 12/24-12/48, há muito defendido pelo SNBP e solicitado pelos seus associados” de Vila Real de Santo António.

“Para trás ficou um horário em que os bombeiros cumpriam durante quatro meses consecutivos o período de serviço entre a meia-noite e as oito da manhã, apenas havendo rotatividade no final deste tempo. Uma situação que desde o início foi contestada pelos bombeiros e pelo sindicato, tendo o SNBP apresentado uma proposta de horário que salvaguarda ambas as partes e melhora a capacidade de resposta ao socorro”, referira também a estrutura sindical.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook