Abertas inscrições para Mestrado Integrado de Medicina da UAlg

Abertas inscrições para Mestrado Integrado de Medicina da UAlg

577
PARTILHE
Sérgio Esteves realizou o seu Elective (estágio) em Jerusalém, Israel
Sérgio Esteves realizou o seu Elective (estágio) em Jerusalém, Israel

O Mestrado Integrado de Medicina (MIM) da Universidade do Algarve tem candidaturas abertas para a sua 8ª edição até ao próximo dia 1 de Fevereiro. Este curso, centrado num método de aprendizagem inovador, Problem Based Learning (PBL), conquistou definitivamente os alunos, que o consideram uma espécie de “Eureka”, há muito procurada.

“Quando tive conhecimento do MIM-UAlg tive aquele momento ‘Eureka, é isto mesmo!’, refere Sérgio Esteves, 31 anos, licenciado em Fisioterapia e actualmente aluno do 4º do curso de Medicina da UAlg.

Sérgio já tinha tido experiência no modelo de ensino tradicional, aquando da sua primeira licenciatura, com todas as cadeiras como anatomia, fisiologia, patologia, que não obstante serem leccionadas há séculos, o aluno considera que este método de ensino transmite os conhecimentos de forma “fraccionada e desintegrada”. E, explica, “é sobretudo na metodologia que o curso de Medicina da UAlg é diferente, inovador e representativo de uma mudança de paradigma do ensino médico em Portugal”. O modelo estruturante do curso é o PBL e, ao contrário dos modelos pedagógicos tradicionais, este modelo utiliza um caso real e desconstrói-o até à sua essência. “Fazendo-o, leva-nos a estudar as ciências básicas e clínicas, mas de forma integrada, no contexto do caso clínico, e, assim, muito mais próximo da realidade que os futuros médicos vão encontrar nos hospitais e centros de saúde”.

Contacto com pacientes inicia-se na segunda semana de aulas

O contacto com os pacientes inicia-se logo na segunda semana de aulas e é uma constante até ao último dia do curso. “O contacto com os pacientes é algo sem par”, esclarece. “Nos dois primeiros anos estamos um dia por semana em vários centros de saúde do Algarve, desenvolvendo um contacto fundamental com o que deve ser o centro da formação médica: os Cuidados de Saúde Primários”.

Já nos dois últimos anos (3º e 4º) iniciam-se as rotações hospitalares e os alunos estão diariamente no hospital, integrados nas equipas médicas dos vários serviços clínicos. Os alunos do MIM UAlg não têm contacto apenas com os hospitais algarvios, procuram sempre as melhores garantias de formação. “Durante estes quatro anos já tive a oportunidade de estagiar no Centro Hospitalar do Algarve (em Faro e Portimão), no Hospital do Litoral Alentejano (Santiago do Cacém), no Hospital de Évora, no Hospital de Setúbal, no Hospital Ortopédico do Outão e no Hospital Garcia d’Orta (Almada), ao que se acresce ainda o Hospital Curry Cabral e o Hospital Amadora-Sintra onde estive em contexto de investigação.” Estes quatro anos de rotações clínicas têm uma outra característica única e exclusiva: um rácio de um para um entre aluno e tutor clínico, o que pelos motivos óbvios é uma mais-valia.

O MIM-UAlg dispõe de variados e modernos modelos/simuladores clínicos que permitem praticar, simulando em segurança muitos dos procedimentos clínicos que um médico tem de denominar e que, posteriormente, serão aplicados em situações reais nos estágios.

Alunos fazem estágio médico numa realidade diferente

Durante o curso, explica Sérgio Esteves, “somos confrontados com um desafio: realizar um Elective, que deverá ser um estágio médico numa realidade diferente daquela em que estamos normalmente incluídos, em áreas médicas distintas daquelas com que contactamos nos estágios curriculares, preferencialmente fora de Portugal”. Sérgio seguiu à risca este princípio e, durante oito semanas, foi realizar o seu Elective para fora da Europa, em Jerusalém, capital de Israel, numa região fundamentalmente distinta, geográfica, cultural e socialmente. “A oportunidade de observar e de praticar medicina num país como Israel, de testemunhar de perto a confluência de culturas e de credos aparentemente tão incompatíveis e, ainda assim, ter sido tão bem recebido no seio da comunidade israelita (não apenas a médica), ajudou-me a desenvolver uma faceta mais compreensiva e tolerante, que será certamente muito útil durante a minha carreira médica.”

Para os futuros colegas, Sérgio Esteves deixa uma mensagem: “se desejam verdadeiramente ingressar neste curso venham ‘de alma e coração’, certamente não se vão arrepender!”

Recorde-se que já na edição 2015 do U-Multirank, a Universidade do Algarve registou os melhores resultados a nível nacional na área da Medicina com a obtenção de nota máxima (categoria A – Muito Bom) em 7 categorias.

Mais informações disponíveis em http://www.ualg.pt/pt/content/8a-edicao-mestrado-integrado-em-medicina-0 .

Facebook Comments

Comentários no Facebook