Trabalhadores regressaram às obras na Praia de Faro

Trabalhadores regressaram às obras na Praia de Faro

765
PARTILHE
Os trabalhadores regressaram à obra no acesso à ponte
Os trabalhadores regressaram à obra no acesso à ponte

Os trabalhadores regressaram às obras na estrada de acesso à ponte da Praia de Faro cumprindo assim a promessa de Sebastião Teixeira, presidente da Polis Litoral Ria Formosa, feita em declarações ao POSTAL durante esta semana, como noticiamos na versão papel do POSTAL.

Os trabalhos avançaram esta sexta-feira e já está construído um segundo dique onde será colocada uma das duas passagens hidráulicas sob o acesso à ponte.

Trânsito circula apenas por uma via em mais de 80% do troço de acesso à ponte da Praia de Faro
Trânsito circula apenas por uma via em mais de 80% do troço de acesso à ponte da Praia de Faro

Pior está o trânsito que em vez de ter só um sentido na zona da primeira passagem hidráulica – junto à curva de entrada no acesso à ponte – passou agora a ter uma única faixa transitável em quase todo o percurso de acesso à ponte com os semáforos a garantirem a alternância do trânsito.

Obra e evolução dos trabalhos causam polémica

A obra tem gerado polémica entre os autarcas farenses, receosos de atrasos que compliquem a época balnear, e a Sociedade Polis Litoral Ria Formosa , responsável pelos trabalhos.

Sebastião Teixeira, respon­sável pela Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, afirmou ao POSTAL que “todas as obras em curso na Praia de Faro estarão terminadas até ao início da época balnear”, o que no concelho de Faro signifi­ca até 15 de Junho.

A promessa do responsável pelo Programa Polis é a respos­ta às preocupações manifestadas pelos autarcas farenses Rogério Bacalhau e Steven Piedade, res­pectivamente presidente da Câ­mara e da Junta de Freguesia do Montenegro.

Os receios de que a obra possa derrapar para plena época alta surgiram na comunicação so­cial no final da passada semana, coincidência ou não, após a pu­blicação pelo POSTAL on-line de uma notícia referente às obras de construção do passadiço contí­guo ao acesso à ponte da Praia de Faro, de requalificação do próprio acesso e de construção do parque de estacionamento exterior à praia.

“Tudo está a correr dentro da normalidade”, diz Se­bastião Teixeira

Sebastião Teixeira afirma a conclusão das obras até ao início da época balnear, fundando a afirmação no facto de “estar a correr tudo dentro da normalidade”.

Steven Piedade Director Nacional ANJE | Algarve
Steven Piedade tem sérias dúvidas sobre a conclusão atempada da obra

O responsável da Polis diz que “os trabalhos não estão parados”, numa resposta a Steven Pieda­de, mas que “os trabalhadores estão a trabalhar nos estaleiros na construção das estruturas de betão que permitirão criar duas passagens hidráulicas por debai­xo do acesso à ponte”.

“Os trabalhos regressarão ao local da obra até ao fim da sema­na”, acrescentava Sebastião Teixeira a meio da semana ao POSTAL, o que se veio a confirmar hoje.

Uma obra difícil de concluir dentro dos prazos 

Mas a ver­dade é que as dúvidas continu­am a ser muitas quanto à execu­ção da obra no apertadíssimo prazo avançado por Sebastião Teixeira.

Segundo o calendário das intervenções, o parque de esta­cionamento exterior, que está a ser criado junto ao aeroporto – na curva de entrada no aces­so à ponte – tem uma execução de 150 dias ou cinco meses, en­quanto para o acesso à praia e criação do passadiço pedonal e ciclável a execução está fixada em 210 dias, ou seja, sete meses.

Ora, com os trabalhos a arran­carem no local no início de Mar­ço, a simples contagem dos res­pectivo prazos fazem com que o parque só seja previsível estar concluído no início de Agosto e o acesso e passadiço no início de Outubro.

Com a maré cheia os diques de protecção à zona de instalação das condutas hidráulicas alaga completamente
Com a maré cheia os diques de protecção à zona de instalação das condutas hidráulicas alaga completamente

Aos prazos e mesmo que se acelere a obra aumentando a força de trabalho – recorde-se que no acesso à ponte e segun­do Steven Piedade, “os trabalhos estão parados há três semanas” – a verdade é que o local onde a obra do acesso está a ser execu­tada, uma zona lagunar sujeita ao efeitos e problemas das ma­rés, constituirá sempre um risco para o cumprimento de prazos apertados.

Não há plano de contingência para derrapagens na execução

No entanto, Sebastião Teixei­ra, confrontado pelo POSTAL sobre se existe ou não um plano de contingência para possíveis dificuldades, diz que “não há qualquer plano de contingên­cia” porque a obra está a decor­rer normalmente.

A tudo isto soma-se o aumen­to exponencial de utilizadores da praia até ao início da época bal­near, em particular aos fins-de­-semana, e caso a obra se atrase a concentração motard tornará a situação caótica caso decorra ainda com trabalhos em curso no acesso à ponte.

Autarca espera que concurso arranque este ano
Autarca farense avisa que votará contra qualquer prorrogação do prazo de execução da obra

Rogério bacalhau pede an­tecipação dos trabalhos relativos ao acesso à praia

O autarca farense Rogério Ba­calhau enviou à Sociedade Polis um ofício onde manifesta a sua preocupação com a situação e adiantou ao POSTAL que soli­citou a antecipação da obra no que respeita ao acesso à ponte propriamente dito e “ainda não teve resposta “confirmou ao POSTAL.

“Solicitei que se fizesse um reescalonamento da obra e que em termos de ca­lendarização se desse priorida­de à requalificação do acesso à praia e gradualmente se deixas­se para mais tarde a construção do passadiço ciclável e pedonal”, afirma.

“Espero que as obras terminem dentro do prazo, de forma a que nós possamos chegar à praia com toda a comodidade sem ter de passar por algum transtorno”, diz o presidente que reconhece que “sem obras temos alguns cons­trangimentos, mas com obras eles duplicarão, no mínimo”.

Steven Piedade alerta auto­ridades para que “acordem e comecem a trabalhar”

Quem também tem muitas dúvidas face à probabilidade das obras acabarem dentro do prazo é o presidente da Junta de Freguesia do Montenegro que oficiou a Sociedade Polis, pedindo esclarecimentos e fez publicamente “um alerta para ver se as autoridades acordam e começam a trabalhar”, disse ao POSTAL.

O autarca reforça que “há sensivelmente três semanas que abriram o buraco que lá está e a obra ainda não teve evolução, estou apreensivo e preocupado porque já estamos em Abril e a época (balnear) começa a 15 de Junho, com a concentração mo­tard a realizar-se em meados de Julho”.

Ainda sem resposta oficial da Polis os autarcas mantém as dúvidas. A Polis tem reunião agendada com as autarquias integrantes da sociedade na próxima semana e Rogério Bacalhau é claro “já avisei que votarei contra qualquer proposta de prorrogação do prazo destas obras”.

Facebook Comments

Comentários no Facebook