Hoteleiros exigem que Governo ponha ordem nas obras da EN 125

Hoteleiros exigem que Governo ponha ordem nas obras da EN 125

500
PARTILHE
Hoteleiros querem que Governo mande parar as obras na EN 125 e suspenda as portagens na Via do Infante (Foto Luís Forra/Lusa)
Hoteleiros querem que Governo mande parar as obras na EN 125 e suspenda as portagens na Via do Infante (Foto Luís Forra/Lusa)

A maior associação de empresários hoteleiros e turísticos do Algarve pediu hoje ao Governo, “em nome do interesse público”, a paragem das obras na Estrada Nacional 125 (EN 125) e a suspensão das portagens na Via do Infante (A22).

A Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos de Algarve (AHETA), em nota de imprensa, “exige que o Governo, em nome do interesse público, ponha ordem na requalificação da EN 125, mandando parar as obras e suspendendo as portagens na Via do Infante”.

A associação afirma-se “surpreendida” por ter sido decidido, sem qualquer aviso prévio, o encerramento do troço mais movimentado da EN 125, entre Fontainhas e Maritenda, até meados de Julho.

“Os empresários hoteleiros e turísticos e os algarvios merecem e exigem saber a verdade que envolve as obras na EN 125, uma vez que tudo tem sido decidido nas suas costas e à margem dos interesses regionais”, afirma a AHETA.

A requalificação da EN 125, foi anunciada em 2008 e incluía obras para acabar com o estacionamento nas bermas e a criação de cerca de 60 rotundas, mas foi sendo adiada e só arrancou definitivamente em 2015, numa versão mais curta e barata.

Em Abril de 2009, foram adjudicadas à empresa Rotas do Algarve as obras de requalificação, beneficiação e exploração numa extensão de 118 quilómetros (entre Vila do Bispo e Faro) e a construção de variantes em Lagos, Troto e Faro.

A introdução de portagens na auto-estrada em Dezembro de 2011 veio aumentar a circulação automóvel na EN 125 e significou um crescimento da sinistralidade rodoviária.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook