Franceses são os estrangeiros que mais investem no imobiliário português

Franceses são os estrangeiros que mais investem no imobiliário português

500
PARTILHE
No primeiro trimestre do ano os franceses ultrapassaram os britânicos e os chineses na compra de casas em Portugal
No primeiro trimestre do ano os franceses ultrapassaram os britânicos e os chineses na compra de casas em Portugal

Os franceses foram os estrangeiros que mais investiram no imobiliário português entre Janeiro e Março, ultrapassando os britânicos e os chineses, segundo as estimativas da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) recentemente divulgadas.

De acordo com o gabinete de estudos da APEMIP, o investimento estrangeiro representa 20% do total das transacções imobiliárias no primeiro trimestre de 2016, tendo-se registado um decréscimo de 3% face a 2014 “que se justifica não pela quebra de investimento estrangeiro mas sim pelo aumento considerável da representatividade do mercado interno resultante da sua retoma”.

Entre Janeiro e Março de 2016, os franceses ultrapassaram os britânicos e os chineses no número total de imóveis adquiridos em Portugal, apresentando uma representatividade na ordem dos 27%, um aumento de 11 pontos percentuais face a 2014, refere a associação numa nota enviada às redacções.

Segundo o presidente da APEMIP, Luís Lima, citado na nota, este fenómeno “é fruto de um trabalho de promoção do imobiliário português que tem vindo a ser feito desde 2013, ano em que a APEMIP assinou um protocolo de parceria com o Syndicat National des Professionnels de l’Immobilier, prevendo já nesta altura o potencial que o mercado [português] teria na captação de investimentos e poupanças dos franceses e lusodescendentes”.

- Pub -

Lisboa, Porto e a região do Algarve continuam a ser as zonas mais procuradas pelos investidores.

“O investimento dos ingleses continua muito concentrado na região algarvia e o dos chineses na região de Lisboa. Já o investimento francês tem uma distribuição territorial mais heterogénea, ainda que se concentre sobretudo em Lisboa, no Porto e no Algarve”, destaca ainda Luís Lima.

Após os franceses, seguem-se os ingleses, com 18%, os chineses, com 13%, os brasileiros, com 8%, e os belgas, com 5%.

Luís Lima realça também o aumento da representatividade de países como a Bélgica e a Suécia, “contíguos a França, que terão sido influenciados positivamente pelo crescente investimento que os franceses têm vindo a fazer em Portugal”.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook