Movimento Algarve Livre de Petróleo anuncia cordão humano em Aljezur

Movimento Algarve Livre de Petróleo anuncia cordão humano em Aljezur

662
PARTILHE
MALP pede aos manifestantes que levem um ‘cartão vermelho’ para apontar ao concessionário ENI/GALP (Foto: Luís Forra/Lusa)
MALP pede aos manifestantes que levem um ‘cartão vermelho’ para apontar ao concessionário ENI/GALP (Foto: Luís Forra/Lusa)

O Movimento Algarve Livre de Petróleo anunciou no sábado que vai realizar um cordão humano de protesto contra a exploração de petróleo no mar ao largo de Aljezur, a 11 de Junho, pelas 16 horas, em frente à câmara daquela localidade.

Constituído por um autodenominado “grupo de cidadãos apartidários” que se opõe à exploração de hidrocarbonetos na região do Algarve, quer no mar quer em terra, o Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP) considera, em comunicado, que é “inaceitável” o Estado e o Governo português “avançarem à socapa para uma consulta pública com o objectivo de decidir da autorização da prospecção de petróleo ao largo das praias do Alentejo e do Algarve”.

Isto acontece, segundo o Movimento, depois de “as vozes dos principais representantes da região se terem posicionado de forma clara e contundente contra a exploração de petróleo e gás natural na região do Algarve”.

“O Movimento Algarve Livre de Petróleo faz assim um apelo lancinante para que as principais forças vivas das regiões do Algarve e do Alentejo, autarcas, empresários do turismo e da pesca, representantes do sector imobiliário, sindicatos, movimentos sociais, associações ambientais, partidos políticos, cidadãos nacionais e estrangeiros, se juntem em frente à Câmara de Aljezur para mais uma vez afirmarmos em conjunto um rotundo não à exploração de petróleo e gás natural no mar e nas terras do Algarve”, apelou o MALP.

- Pub -

Movimento pretende sensibilizar para participar em consulta pública até 22 de Junho

O Movimento pretende, também, com este protesto, “sensibilizar toda a população portuguesa” para “participar activamente na consulta pública que o Estado português vai fazer até 22 de Junho”, reunindo “bons argumentos” para “travar a barbárie que se adivinha para o Algarve e para a região litoral do Alentejo” com a prospecção e exploração de hidrocarbonetos.

O MALP apelou ainda a quem pretende participar no cordão humano para que leve “um cartão vermelho” e mostre assim “a sua reprovação moral ao concessionário ENI/GALP”, candidato aos contratos de prospecção e exploração de hidrocarbonetos sujeitos a consulta pública até 22 de Junho.

Após o cordão humano, o MALP vai promover uma consulta popular e colocar à votação a demissão de Paulo Carmona, da Entidade Nacional do Mercado de Combustíveis (ENMC), “por considerar que as suas intervenções no espaço público não se têm orientado pela defesa do interesse público e da vida das populações” dos territórios afectados e “parece mais interessado em defender a exploração de hidrocarbonetos em Portugal”.

O MALP é uma das estruturas criadas no Algarve para combater a prospecção e exploração de hidrocarbonetos na região.

Além deste movimento constituído por “cidadãos apartidários”, a luta contra a prospecção e exploração de petróleo e gás natural tem também sido realizada pela Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP), que agrupa um conjunto de associações ambientalistas e de defesa do património, com protestos de rua, petições à Assembleia da República ou sessões de esclarecimento à população.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook