“30 anos de fundos comunitários no Algarve” reúnem todos os presidentes da...

“30 anos de fundos comunitários no Algarve” reúnem todos os presidentes da CCDR- Algarve em debate

376
PARTILHE

 

Valente de Oliveira é orador nesta sessão-debate
Valente de Oliveira é orador nesta sessão-debate

Analisar e debater 30 anos de execução de fundos europeus na região é o que pretende o debate que vai ser promovido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, amanhã quando forem 11 horas.

A iniciativa que tem lugar em Faro na sede da CCDR, conta com a presença do ex-ministro Luís Valente de Oliveira, o homem por detrás da criação das CCDRs portuguesas, correspondentes às regiões para efeitos de NUTS 2, sete unidades, das quais cinco no continente e os territórios das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Na sessão de debate marcam presença David Assoreira, João Guerreiro, Campos Correia, João Faria e David Santos, os cinco rostos que encabeçaram a CCDR Algarve na aplicação dos sucessivos quadros comunitários de apoio e os seus sucessores quadros estratégicos nacionais, bem como, os programas operacionais regionais.

- Pub -

A CCDR desafia assim os algarvios a conhecerem as experiências, as estratégias, os planos, a discussão com a Comissão Europeia, a sua implementação, a execução e os resultados pela viva voz dos presidentes e gestores dos fundos oriundos da União Europeia e da respectiva comparticipação oriunda dos cofres do estado.

O que mudou no Algarve? Que percepção, temos da aplicação dos Fundos Europeus no Algarve, de 1980 até aos nossos dias?, são questões a que a iniciativa tentará dar respostas.

A CCDR tem desenvolvido várias acções que contribuíram para o desenvolvimento regional do Algarve
A CCDR tem desenvolvido várias acções que contribuíram para uma maior consciência da importância dos fundos europeus

Recorde-se que as CCDRs, que sucederam às Regiões de Planeamento, criadas em 1969, foram as primeiras expressões da necessidade de outra escala de gestão do território, mais integrada e com uma dimensão adequada à execução projectos interdistritais, uma divisão mais tarde consolidada pelo sistema europeu das NUT (Unidades Territoriais Estatísticas).

São também estas mesmas CCDRs que por muitos são consideradas uma afirmação da participação regional no processo decisório político e por outros tantos uma forma de administração desconcentrada do Estado para encapotar a aversão do poder central em avançar efectivamente com a regionalização.

No final do evento será realizada uma visita guiada à exposição fotográfica “30 anos, 30 obras do Algarve”.

As inscrições para o debate são obrigatórias. Programa e inscrições on-line encontram-se disponíveis aqui.

Facebook Comments

Comentários no Facebook