Faro restaura jazigo do poeta são-brasense Bernardo Passos

Faro restaura jazigo do poeta são-brasense Bernardo Passos

335
PARTILHE
O poeta Bernado Passos, falecido em 1930, repousa no jazigo de família
‘Cavador’, um dos panéis artísticos que integra o jazigo de Bernardo de Passos

O jazigo no qual se encontram os restos mortais do poeta Bernardo Passos, um dos filhos mais ilustres da vila de São Brás de Alportel, foi recentemente recuperado pela equipa de conservação e restauro do Museu Municipal de Faro.

O monumento, que apresentava vários problemas de conservação e de tratamento de alguns dos seus trabalhos artísticos, foi alvo de recuperação pelo Município de Faro, “no seguimento de pedido da autarquia de São Brás de Alportel, da junta de freguesia local e de familiares do poeta”, explica a autarquia farense em nota de imprensa.

O restauro traduziu-se no trabalho de limpeza, remoção de cimentos, preenchimento de argamassas e pinturas de cal ao longo de 3 semanas. A inauguração do espaço agora restaurado teve lugar ontem, dia 1 de Junho, feriado municipal em São Brás de Alportel, com a presença da equipa de conservação e restauro e do director do Museu Municipal.

Bernardo Passos faleceu em 1930, naquela vila, e os seus restos mortais, assim como de alguns familiares seus, repousam num jazigo monumental que reúne alguns pormenores artísticos que não devem ser descurados. Realce para os painéis de alto-relevo nas laterais deste espaço funerário, um denominado Cavador e da autoria de Joaquim Passos, e o outro intitulado Os apóstolos a cargo de Ângelo Passos. No interior do jazigo uma escultura em forma de Pégaso sustenta a urna do poeta, que assina um dos seus trabalhos literários numa lápide junto à porta principal.

Facebook Comments

Comentários no Facebook