Lídia Jorge abriu ciclo ‘Obra Aberta’ em Albufeira

Lídia Jorge abriu ciclo ‘Obra Aberta’ em Albufeira

475
PARTILHE
As diversas reflexões intelectuais dos convidados de ‘Obra Aberta’ serão publicadas no final do ciclo

A escritora algarvia Lídia Jorge abriu o ciclo “Obra Aberta”: um encontro de pensamento e fazer artístico que atraiu dezenas de admiradores. O universo de leitores da biblioteca com o seu nome é de cerca de 13 mil.

Lídia Jorge manifestou no final do encontro estar contra a exploração petrolífera ao longo da costa algarvia, aceitando o repto do presidente da Câmara Carlos Eduardo da Silva e Sousa, afirmou estar ao lado do interesse da população, considerando que “o Governo tem que olhar para a vontade de uma região inteira”.

A autora de “O Amor em Lobito Bay” mostrou-se disposta a “incorporar qualquer movimento” que a região resolva encetar: “quando há dez anos se falou disto, pensei tratar-se de uma brincadeira. Com alguns amigos publicámos um manifesto, mas creio que ninguém leu. Isto é um contraciclo, uma inquietação muito grande”.

Lídia Jorge manifestou estar contra a exploração petrolífera ao longo da costa algarvia

Outras questões políticas, como as que se referem a Angola e Moçambique foram debatidas: “o que se passa em Angola, parece-me, está à beira de rebentar”, salientou, ressalvando que Portugal tem tido um papel muito equilibrado nesta situação.

- Pub -

Sobre Arte e Literatura, disse a autora que este seu mais recente livro de contos, trata da “imperfeição o amor”. Tomando os presentes como um “clã místico”, disse que “os serões literários deveriam ser assim, entre amigos, para nos entendermos, para falarmos uns com os outros”. À pergunta sobre o amor dos portugueses à sua cultura, Lídia Jorge foi peremptória: “Não nos conhecemos nem estimamos e um povo assim está apto a ser colonizado. Estamos sempre a pensar que aquilo que vem de fora tem mais valor e que alguém só presta se for reconhecido além-fronteiras”, sublinhou, acrescentando haver “uma espécie de hiato entre aquele que cria cultura e aquele que consome cultura, temos que ser realistas. A facilidade da expansão da comunicação hoje é imensa, mas oferece também o seu contraditório e a escola e a cultura promovida pelas autarquias desempenham um papel fundamental no caminho que estamos todos a percorrer”.

Próximo encontro será com a escritora Teresa Rita Lopes

As diversas reflexões intelectuais dos convidados de “Obra Aberta”, serão publicadas no final do ciclo. Este primeiro encontro juntou também o encenador Paulo Moreira, a escritora Josefa Lima, o especialista em política internacional Cristiano Cabrita, o fotógrafo Filipe da Palma e ainda o videoartista Luís Nunes Alberto. Nesta sessão, a directora regional da Cultura, Alexandra Gonçalves, enviou uma mensagem a Lídia Jorge, enaltecendo o valor da sua literatura no contexto estrangeiro e a vereadora da Cultura do Município de Albufeira, Marlene Silva, ofereceu à convidada uma brochura com a história da Biblioteca que ostenta o seu nome, destacando que a mesma tem um acervo, no que toca a livros, de cerca de 42 mil volumes e que actualmente possui 12.186 leitores, tendo sido frequentada no ano passado por 16.990 pessoas.

‘O Amor em Lobito Bay’ é como se intitula o último romance de Lídia Jorge

O próximo encontro está marcado para 29 de Julho, às 21 horas e será com a poetisa, dramaturga, contista e, investigadora de Fernando Pessoa e do Modernismo, Teresa Rita Lopes.

Facebook Comments

Comentários no Facebook