‘O futuro da prevenção do cancro é a naturopatia’

‘O futuro da prevenção do cancro é a naturopatia’

491
PARTILHE
- Pub -
João Beles conduziu uma palestra sobre naturopatia na Associação Semear Saúde em Tavira
João Beles conduziu uma palestra sobre naturopatia na Associação Semear Saúde em Tavira

“A naturopatia não quer curar cancros. A naturopatia quer que as pessoas façam os tratamentos oncológicos, mas existem muitos estudos que provam que se a pessoa for acompanhada por um naturopata durante um processo de tratamento terá uma qualidade de vida muito maior”, afirmou ao POSTAL o naturopata João Beles numa palestra onde falou da naturopatia como medicina complementar para os pacientes oncológicos, e que juntou cerca de 70 pessoas na Associação Semear Saúde, em Tavira, esta terça-feira, dia 7 de Junho, numa iniciativa resultante da primeira parceria de uma associação algarvia com o Instituto de Medicina Tradicional (IMT).

A iniciativa juntou cerca de 70 pessoas
A iniciativa juntou cerca de 70 pessoas

“O futuro da prevenção do cancro é a naturopatia”, garante João Beles, dando o exemplo do chá verde, que “é anticancerígeno” e protege contra o aparecimento de cancro da próstata, sendo “a segunda bebida mais consumida em todo o mundo”. Contudo, o naturopata lamenta o facto de os estudos científicos não terem “capacidade legislativa de tornarem as coisas obrigatórias”.

O palestrante falou sobre a acção comprovada cientificamente por milhares de estudos clínicos no tratamento complementar de várias patologias através das medicinas naturais. Neste sentido, aconselhou algumas das plantas medicinais mais indicadas para três fases distintas do cancro. Açafrão-da-Índia e brócolos na ajuda à prevenção de vários tipos de cancro, aloé vera e ginseng como complemento aos tratamentos oncológicos e, após o cancro, a cimicifuga, no cancro da mama, ou o chá verde, no cancro da próstata, por exemplo, como prevenção para que a doença não volte a aparecer. João Beles destaca ainda o mangustão, a graviola, o visco branco e o gengibre “para complementar e prevenir o tratamento do cancro” e avisa que “cada cancro corresponde a cada planta e cada paciente tem um tratamento individualizado”.

João Beles é naturopata e professor no IMT desde 2003
João Beles é naturopata e professor no IMT desde 2003

“O paciente faz cirurgia e tratamentos de quimioterapia e radioterapia mas pode complementar e aumentar a sua qualidade de vida com medicinas naturais e é neste sentido que surge esta palestra”, diz Cláudia Brito, presidente da Associação Semear Saúde.

Na opinião de João Beles, “estas palestras são vitais porque levam o conhecimento científico directamente às pessoas interessadas e tornam o comum cidadão num conhecedor da verdade científica e de um utilizador de plantas medicinais com uma confiança muito maior do que se não houvesse esta partilha de conhecimento”.

- Pub -

João Beles é professor de Naturopatia no IMT desde 2003. Tem o Curso de Naturopatia pela Escola Superior de Biologia e Saúde de Lisboa e o Curso Superior de Medicina Tradicional Chinesa – Acupunctura e Fitoterapia, com supervisão e orientação de Pedro Choy. A partir de agora vai cooperar com a Semear Saúde, através de consultas mensais de naturopatia e acupunctura.

A naturopatia na área da saúde

A palestra teve a interacção do público e serviu também para partilha de experiências
A palestra teve a interacção do público e serviu também para partilha de experiências

A naturopatia é uma medicina natural que está entre as sete medicinas naturais reconhecidas desde 2003 pelo Estado português, e que consiste na utilização de métodos naturais, principalmente plantas medicinais e outros suplementos como vitaminas, minerais e enzimas, para estimular o tratamento das doenças e a cura do corpo. “O conceito de medicina complementar é a forma correcta para designar o que a naturopatia pretende nesta área”, diz João Beles.

O naturopata garante que “a intenção do actual Ministro da Saúde e da ACSS é incluir os serviços de naturopatia no Serviço Nacional de Saúde” e acredita que “é possível, daqui a dois anos, em alguns centros de saúde, já existir consultas de naturopatia, de acupunctura e osteopatia”. “A saúde é um direito de todos e não tem de ser só dos que conseguem pagar consultas privadas”, conclui.

Vários projectos uniram-se à causa

A iniciativa contou com o apoio da Chanson, da Casa Brava, da Dias de Aroma e da Oxigenesis
A iniciativa contou com o apoio da Sul Saúde, da Casa Brava, da Dias de Aromas e da Oxigenesis

A iniciativa contou com o apoio da Sul Saúde da Chanson de Portugal, que possui uma vasta experiência na comercialização e assistência técnica de bens de consumo para o lar ligados à área da saúde, da Casa Brava, que se dedica à produção de produtos de cosmética naturais, onde se incluem sabonetes feitos à base de azeite virgem biológico, da Dias de Aromas, que se dedica à produção de plantas medicinais e condimentares, e da Oxigenesis, que faz activação celular natural corporal e capilar com oxigénio 100% puro.

Antes da palestra, o projecto Lado a Lado da União das Freguesias de Tavira foi homenageado pelo serviço prestado junto das crianças e dos idosos da cidade.

A iniciativa inseriu-se no Ciclo de Palestras Mensais sobre o Cancro, organizado em conjunto pelas associações Semear Saúde, ADOT (Associação dos Doentes Oncológicos de Tavira) e SOS Oncológico (Unidade e Equipa Comunitária de Cuidados Paliativos do Algarve). Recorde-se que a naturopatia também foi o tema central da anterior palestra deste Ciclo.

O próximo evento nas instalações da Associação Semear Saúde, com data a definir, contará com testemunhos de quem passou pela experiência do cancro.

(Com Ricardo Claro)