Secretário de Estado do Ambiente devolve totalidade do subsídio de alojamento

Secretário de Estado do Ambiente devolve totalidade do subsídio de alojamento

570
PARTILHE

 

Carlos Martins tem morada fiscal em Santa Luzia

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, devolveu na íntegra os valores do subsídio de alojamento que recebeu desde o início das suas funções governativas, revelou hoje o Ministério do Ambiente.

“Por decisão do secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, foi determinada a devolução dos valores referentes ao subsídio de alojamento que já havia recebido, desde o início das suas funções governativas”, refere um esclarecimento do gabinete do ministro do Ambiente.

O esclarecimento adianta que já teve lugar a devolução integral das verbas do subsídio de alojamento que o secretário de Estado recebia por ter uma casa em Tavira, apesar de residir actualmente em Cascais.

“Não obstante face à lei vigente ser inequívoco o direito do secretário de Estado ao recebimento dessas verbas, entendeu o mesmo que para além da renúncia ao direito a receber as mesmas até termo das suas funções, decidiu, igualmente, proceder à devolução das verbas recebidas”, refere ainda o Ministério do Ambiente.

O caso foi tornado público pelo semanário Expresso, que revelou, no fim de semana, que o governante tinha adquirido em Novembro de 2015, no mesmo mês em que tomou posse, uma casa em Tavira, sendo esta a morada que consta da declaração de rendimentos que forneceu ao Tribunal Constitucional.

Carlos Martins conseguia garantir desta forma os requisitos necessários para receber subsídio de alojamento, num montante à volta de 360 euros líquidos.

De acordo com a lei, os governantes têm direito a um subsídio de alojamento caso tenham residência permanente a mais de 150 quilómetros de Lisboa.

Secretário de Estado prescindiu do subsídio

Na terça-feira, o secretário de Estado fez saber, através de um comunicado enviado pelo Ministério do Ambiente, que abdicava do subsídio de alojamento, apesar de considerar a situação “injusta”

“Com a absoluta consciência da legalidade da atribuição do subsidio de alojamento, porque este injusto caso se alastra e com o objectivo de preservar a minha imagem, o bem-estar dos meus, e a normalidade do funcionamento do Ministério do Ambiente, irei, a partir de hoje (terça-feira) prescindir do subsídio de alojamento”, referiu Carlos Martins.

Segundo o comunicado de terça-feira do Ministério do Ambiente, Carlos Martins passou a residir permanentemente no Algarve em Julho de 2015, altura em que foi nomeado presidente executivo das Águas do Algarve, e iniciou “um processo negocial” para comprar casa própria na região em Setembro.

Passou a ter morada fiscal e residência permanente em Santa Luzia (concelho de Tavira) a 9 de Novembro, após a realização da escritura, actualizando os dados do Cartão de Cidadão e Carta de Condução, ainda nesse mês.

A 26 de Novembro tomou posse como secretário de Estado do Ambiente, passando a utilizar uma casa em Murches (Cascais), e recebendo ao mesmo tempo o subsídio de alojamento a que o Ministério do Ambiente considera que tem “inequivocamente direito uma vez que a sua residência permanente é em Tavira”.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook