Ciclo de Música Antiga ‘Sons Antigos a Sul’ regressa em Agosto a...

Ciclo de Música Antiga ‘Sons Antigos a Sul’ regressa em Agosto a Vila do Bispo

447
PARTILHE
Cartaz do evento

O Ciclo de Música Antiga “Sons Antigos a Sul” regressa à Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, em Vila do Bispo, todas as sextas-feiras de Agosto, pelas 17 horas, com quatro ensembles de craveira nacional e internacional: Ludovice Ensemble (Lisboa), The Goldfinch Ensemble (Haia, Países Baixos), Duo Lundú (Lagos e Évora) e Bando de Surunyo (Porto), numa viagem entre a Europa e o Mundo do século XVII e XVIII.

O Ciclo de Música Antiga “Sons Antigos a Sul” é um projecto anual – dirigido pela Academia de Música de Lagos – de promoção e divulgação da Música Antiga no Algarve, envolvendo ensembles profissionais nacionais e internacionais, sob fundação de Elsa Mathei.

“Género & Diáspora” é o tema para 2016, abordando questões sociais que são transversais à história mundial como a migração e igualdade de género.

Este festival foi reconhecido em 2015 e 2016 com o título de qualidade EFFE (Europe for Festivals, Festivals for Europe), da EFA (European Festivals Association), um projecto piloto da Comissão Europeia que procura distinguir e dinamizar os melhores festivais de toda a Europa.

- Pub -

Conta com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Algarve, o Real Conservatório de Haia, Países Baixos e cultugarve.com na sua agenda cultural.

Cartaz do primeiro dia do evento

O primeiro concerto a realizar na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, no dia 5 de Agosto pelas 17 horas, por Ludovice Ensemble, tem como tema “Chinoiseries, ou o Oriente imaginado”. No dia 12 de Agosto será a vez dos holandeses The Goldfinch Ensemble, com uma homenagem a Élisabeth Jacquet de La Guerre. No dia 19 os Duo Lundú interpretam as heranças musicais de África e Brasil na Corte Portuguesa de 1800.

Na última sexta-feira de Agosto, dia 26, a 5ª edição dos “Sons Antigos a Sul” termina com uma apoteose vocal dos jovens “Bando de Surunyo”, com apresentação de um repertório vernacular do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra escrito em castelhano, português, galego, língua teatral que representa os africanos e quicongo (kikongo).

Esta iniciativa produzida pela Academia de Música de Lagos, integra o ciclo “Música no DiVaM” do programa DiVaM – Dinamização e Valorização dos Monumentos – 2016 promovido pela Direção Regional de Cultura do Algarve em parceria com agentes culturais da região.

Facebook Comments

Comentários no Facebook