Duas tartarugas voltam ao mar após recuperação

Duas tartarugas voltam ao mar após recuperação

416
PARTILHE
Tartarugas estiveram vários meses em recuperação no Porto de Abrigo do Zoomarine em Albufeira

Duas tartarugas marinhas foram devolvidas ao seu habitat natural esta quinta-feira, no mar do Algarve, depois de vários meses em recuperação no Porto de Abrigo do Zoomarine, em Albufeira, disse à Lusa o biólogo Élio Vicente.

As duas tartarugas-comum (Caretta caretta), baptizadas com os nomes “Mar” e “Magnólia”, foram libertadas durante a manhã de hoje, a cerca de 12 milhas náuticas da costa algarvia, ao largo de Portimão, com o apoio da Marinha Portuguesa.

“Os dois animais, aos quais foram colocados anilhas e ‘microchips’ para identificação em casos de futuros avistamentos, estão em condições de serem devolvidos ao seu habitat natural, depois da recuperação ao longo de vários meses no Porto de Abrigo”, indicou Élio Vicente, responsável pelo centro de recuperação.

Segundo o biólogo, um dos animais foi encontrado por pescadores em 2015, preso em redes de pesca, e entregue aos cuidados do centro, onde permaneceu “até à recuperação total dos problemas pulmonares e ferimentos provocados pelos artefactos de pesca”.

- Pub -

A “Magnólia”, o outro animal, foi encontrada numa praia da costa holandesa, sendo posteriormente enviada do Zoo de Roterdão para o Zoomarine para terminar a sua reabilitação e ser devolvida ao mar em águas quentes.

Devolução foi realizada a bordo de um navio da Marinha Portuguesa

Para Élio Vicente, o caso da “Magnólia” foi “surpreendente, dada a invulgaridade de esta espécie de tartarugas marinhas arrojar em águas tão frias, a norte”.

“É um caso raro, já que o habitual é estas tartarugas frequentarem mares tropicais e subtropicais e também águas temperadas”, destacou o biólogo do Zoomarine.

De acordo com o especialista, a tartaruga “Magnólia”, “um juvenil, com cerca de três anos, ganhou cerca de dez quilos de peso e está agora em condições de regressar ao seu habitat natural no oceano Atlântico”.

Segundo o “Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal”, esta é uma espécie em perigo, tendo-se registado uma diminuição da população de pelo menos 50% nas últimas três gerações.

A sua captura acidental por redes de pesca o principal factor de ameaça.

A devolução ao mar dos animais foi realizada a bordo de um navio da Marinha Portuguesa, que transportou os animais e técnicos marinhos até cerca das 12 milhas náuticas a sul de Portimão.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook