Festival ‘Cenas na Rua’ anima Verão em Tavira

Festival ‘Cenas na Rua’ anima Verão em Tavira

622
PARTILHE
Hoje e amanhã sobe ao palco da Praça da República o espectáculo ‘Operativi!’

A 12ª. Edição do Festival Internacional de Teatro e Artes na Rua – “Cenas na Rua” arranca esta sexta-feira, dia 1, e decorre até 14 de Julho, o qual conta com muitas novidades e alguns dos melhores grupos e projectos portugueses e internacionais.

Programa:

1 e 2 de Julho, 22h00

“Operativi!” – Associazone Eccentrici Dadaró – Compagnia Ifratellicaproni [it]

- Pub -

Praça da República

50 min. | circo, teatro | idioma: gestual | todos os públicos

Está um alemão, um americano e um italiano… parece o princípio de uma anedota, mas esta é uma história com um fundo muito real.

Três soldados-palhaços, veteranos de todas as guerras da história recente, chegam no seu jeep militar para erigir um monumento em ruínas e recordar-nos a estupidez habitual da espécie humana. Uma comédia visual para todos os públicos.

3 de Julho, 22h00

“Sin remite” – Cia. Jean Philippe Kikolas [es]

Praça da República

55 min. | circo, teatro | idioma: gestual | todos os públicos

Um espectáculo de circo teatro e humor gestual. Uma personagem sem palavras que nos remete para a nostalgia.

Um jogo entre o cenário, os objectos e o público. Com esta premissa de jogo apresenta-se “Sin Remite” que através de técnicas como o teatro gestual, a comédia slapstick ou as diferentes piadas visuais introduz os espectadores num mundo particular e aproxima-os de um ofício que parece, cada vez mais, longínquo.

Espectáculo inspirado no cómico francês Jacques Tati e na sua curta-metragem “L´Ecole du Facteurs” (1947).

4 de Julho, 22h00

“Enfila S.A.” – Cia. Estampades [es]

Praça da República

50 min. | circo, dança, teatro | idioma: gestual | todos os públicos

Um espectáculo de circo inspirado na história das fábricas têxteis catalãs.

“Enfila S.A.” é a história de duas mulheres que trabalham numa fábrica têxtil, nos anos cinquenta. Entre fios e bobines e com o ruído e o cheiro das máquinas crescem, trabalham e tecem as suas histórias de vida. Duas histórias que são muito diferentes entre elas.

Uma homenagem a todas as mulheres que em momentos difíceis não rompem o fio da sua vida.

5 de Julho, 22h00

“Manekken’s Piss” – CQP Produtions [es]

Praça da República

30 min. | teatro, instalação | idioma: gestual | todos os públicos

Instalação artística cómica e multidisciplinar inspirada na fonte Manneken Pis de Bruxelas.

Chegou o momento de inaugurar a nova fonte da cidade. Bronze, luz e água e umas figuras muito especiais, aparentemente imóveis. Espectáculo sem palavras que joga com a linguagem das máscaras e um histrionismo que evoca a comédia do absurdo. Realismo e surrealismo, estética, movimento, surpresas e interacção com o público.

6 de Julho, 22h00

“Entredos” – Cía. Capicua [es]

Praça da República

50 min. |circo, dança, teatro, manipulação de objectos | idioma: gestual | todos os públicos

“Toca o despertador, levanto-me da cama e, como em cada dia, preparo um café.

De repente, na minha mão, em vez de uma chávena aparece um sapato. Com o sapato na mão procuro uma resposta e encontro uma mulher… Estou a sonhar ou estou acordado? Sim, isto é um sonho, por favor não me acordem. O que acontece quando os intervenientes de um sonho sonham e encontram-se? O que é imaginário e o que é real?”.

7 de Julho, 22h00

Kumpania Algazarra [pt]

Jardim do Coreto

60 min. | música| todos os públicos

Kumpania Algazarra é uma banda portuguesa de música folk com inspirações nas músicas cigana, árabe, ska, latina, reggae e balcãs.

8 de Julho, 22h00

“PaGAGnini” – Yallana [es]

Jardim do Coreto

60 min. | música, clown, teatro | idioma: gestual | todos os públicos

PaGAGnini reúne num mesmo plano o humor, a loucura e a música.

Quem disse que a música clássica é aborrecida?

Através do virtuosismo de quatro grandes músicos Ara Malikian, Eduardo Ortega, Fernando Clemente e Jorge Fournadjiev, PaGAGnini revisita alguns momentos mais importantes da música clássica em fusão com outros estilos musicais, conseguindo um divertido e surpreendente des-concerto com o qual pretende-se reinventar o conceito de recital. Este espectáculo permite ao público descobrir nas passagens musicais uma visão diferente.

9 de Julho, 22h00

“Varandas da memória” – Ao Luar Teatro [pt]

Largo em frente ao Palácio da Galeria

60 min. | teatro, música, poesia | idioma: português | todos os públicos

Das noites quentes passadas no Palácio das Varandas, em Silves, às batalhas nas Taifas do Al-Andaluz até ao desterro marroquino, a companhia Ao Luar Teatro visita a atribulada vida do Rei poeta al-Mu’tamid.

Um espectáculo inspirado na magia da poesia árabe, num encontro com o alude e o músico algarvio Eduardo Ramos, contando a história da notável figura Al-Mu’Tamid “O Rei Poeta”.

10 de Julho, 22h00

Aldo Lima [pt]

Praça da República

50 min. | Stand up comedy | idioma: português | todos os públicos

Aldo Lima é um dos pioneiros do stand-up em Portugal. No início da década, antes da sua cara se tornar conhecida através de três campanhas de uma operadora de comunicações móveis, já ele tentava explicar a gerentes de espaços nocturnos que era possível subir ao palco sozinho e, sem contar anedotas, divertir qualquer plateia.

Esta tarefa ficou facilitada com o seu aparecimento no programa da SIC “Levanta-te e Ri”, o qual despoletou a sua carreira de humorista.

11 de Julho, 22h00

“Queixa-te” inspirado livremente na obra “O grande D. Quixote de La Mancha e o gordo Sancho Pança” de António José da Silva – Teatro e Marionetas de Mandrágora [pt]

Praça da República

60 min. | teatro, marionetas | idioma: português | m/8

“Queixa-te” explora os feitos absurdos, as ilusões e os equívocos de D. Quixote, misturando a sátira, o burlesco, as canções de ópera cómicas e a fantasia surrealista: um trabalho sobre mecanismos do poder, da transgressão e da liberdade.

12 de Julho, 22h00

“Em nome da terra” de Vergilio Ferreira – Teatro o Bando [pt]

Praça da República

90 min. | performance, teatro | idioma: português | m/12

Um espectáculo encenado por Miguel Jesus em que os atores debatem-se com a dificuldade de equilíbrio perante a inexorabilidade do tempo, galopante sobre os corpos cobertos de uma vil nudez emocional: a velhice. Uma peça de grande impacto visual, ao ar livre, onde as memórias que se desvanecem são objectos e imagens em queda, resvalando num plano inclinado para fora do espaço e para fora de nós.

13 de Julho, 22h00

“Lullaby” – Cão à Chuva com Rui Paixão [pt]

Praça da República

30 min. | teatro físico, clown | idioma: gestual | m/6

“Lullaby” é um espectáculo com um convite directo à participação do público, proporcionando uma performance interactiva, divertida e com muito humor e dinâmica que abre espaço ao jogo de improviso entre um palhaço e o público. Esta aventura parte em busca do riso, da cumplicidade e da emoção, embarcando num ambiente poético, alimentado pela música ao vivo, rumo a um novo mundo de brincar.

13 e 14 de Julho, 22h00

“Curva Ascendente” – criação de Tânia Dinis apresentada pela Armação do Artista [pt]

Praça da República

60 min. | performance, instalação, gastronomia | idioma: português | todos os públicos

“Curva Ascendente” é uma performance que explora o confronto da imagem com aqueles nela representados, recorrendo a suportes e dispostos de imagem associados ao universo afectivo familiar. “Curva Ascendente” é um íntimo-partilhado. Um encontro familiar. Na Casa da Imagem existe um espólio de Teófilo Rego.

20 e 21 de Julho, 21h00

“Micro-Shakespear” – Laitrum Teatre e ….[es/pt]

Instalação, multidisciplinar |idioma: português | todos os públicos

Neste trabalho há um repto nada fácil: condensar a imensa e monumental obra de William Shakespeare em 5 peças de 6 minutos cada.

O espectador protagoniza uma divertida experiência participativa. Seguindo as instruções através de auriculares o voluntário transforma-se em manipulador de objectos de um “teatrinho” shakespeariano, em que se explica uma história sussurrada ao ouvido: teatro de tu a tu.

Shakespeare como nunca visto! Humor, amor, intriga, morte, vingança, pipocas, atores que não são actores, …

Micro-Shakespeare: Um espectáculo muito complicado de explicar, mas muito divertido!

Facebook Comments

Comentários no Facebook