Ilha da Culatra perde areal e vigilância balnear após dragagens

Ilha da Culatra perde areal e vigilância balnear após dragagens

408
PARTILHE

 

Ilha perdeu a área legal para poder ser vigiada

A Associação de Moradores da Ilha da Culatra alertou hoje que as dragagens provocaram o desaparecimento do areal da praia daquela ilha algarvia que perdeu a área legal para poder ser vigiada, comprometendo a segurança dos banhistas.

As dragagens foram realizadas pela Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, entidade criada em 2008 com o objectivo de melhorar o ecossistema da Ria Formosa e requalificar as zonas urbanas nela existentes.

“A dragagem não foi feita na ria [como previsto], mas sim no oceano e veio prejudicar a Culatra que pela primeira vez ficou sem praia e isto tudo aconteceu depois das dragagens”, explicou a presidente daquela associação, Sílvia Padinha.

- Pub -

Em causa estão as dragagens realizadas entre 2015 e 2016, que Sílvia Padinha diz não estar em conformidade com o plano inicial apresentado pela Sociedade Polis.

“Perdeu o areal e a Associação Portuguesa do Ambiente e a Polícia Marítima consideram que não tem condições de segurança e, então, passou a praia não vigiada”, observou, acrescentando que essa situação não impede que os banhistas continuem a usar a praia e que alguns têm sido socorridos por populares.

O plano de dragagens previsto para a Ria Formosa tem como objectivo a melhoria do ecossistema da Ria Formosa, promovendo a renovação e oxigenação das águas, o aprofundamento dos canais de navegação, a abertura de barras e desassoreamento para garantir condições seguras de navegação às embarcações.

Associação de Moradores convidou todos os grupos parlamentares a conhecer a ilha

A Associação de Moradores da Ilha da Culatra enviou convites a todos os grupos parlamentares para que visitem a ilha e conheçam a comunidade nela existente, com cerca de mil pessoas, que vivem da pesca, do marisco e do turismo.

Após a visita de deputados do PS e da CDU, a ilha da Culatra recebe hoje o deputado do Partido Ecologista “Os Verdes”, José Luís Ferreira, que será apresentado ao estilo de vida da comunidade e aos problemas com que se debate, como é o caso das dragagens e da perda de areal.

“O nosso objectivo é o reconhecimento da aldeia da Culatra como uma aldeia sustentável”, contou Sílvia Padinha.

A Associação de Moradores pretende, ainda, abordar o caso de uma área que foi interdita à pesca tradicional em 2008 e reservada para a aquacultura, mas que até agora continua inactiva.

“Não há empresas a explorar a área e os pescadores continuam interditos de pescar nessa área”, apontou Sílvia Padinha, defendendo a criação de uma zona onde fosse compatibilizada a pesca e a aquacultura.

A comunidade aguarda ainda pela publicação em Diário da República do projecto de resolução aprovado na Assembleia da República no início do ano, que recomenda diversas acções de valorização e requalificação da Ria Formosa.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook