Utentes dos centros de saúde esperavam demasiado por uma consulta em 2015

Utentes dos centros de saúde esperavam demasiado por uma consulta em 2015

418
PARTILHE
No final do primeiro semestre de 2015 existiam 1.280.425 utentes sem médico de família

Em todas as regiões do país os utentes esperam por uma consulta mais do que o definido por lei, 59 dias nas Unidades de Saúde Familiar (USF) e 37 dias nas Unidades de Cuidados de Saúde Primários (UCSP).

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC) de seguimento de recomendações formuladas anteriormente sobre o desempenho de unidades funcionais de cuidados de saúde primários refere que “todas as regiões de saúde registam uma média do tempo de espera, entre o pedido de consulta programada (efectuado pelo utente) e a realização efectiva de consulta, superior ao tempo máximo de resposta garantido (TMRG)”.

Reportando-se ao primeiro semestre de 2015, o TdC indicou que o utente esperava, em média, 59 dias por uma consulta numa USF, enquanto numa UCSP obteria a consulta em 37 dias.

O documento refere ainda que os utentes na Região de Saúde do Alentejo são os que mais esperam entre a admissão administrativa do doente e o início da consulta: 73 minutos.

- Pub -

Tendo em conta a média do tempo de espera verificado nas UCSP (62 minutos) e nas USF (43 minutos), os autores do documento apuraram o custo de oportunidade associado ao tempo de espera que um utente no activo enfrenta desde o registo administrativo de confirmação de presença e o início da consulta com o seu médico: 17,32 euros numa UCSP e 10,99 euros numa USF.

“Considerando o número de consultas realizadas, em 2014, aos utentes entre a faixa etária dos 18 aos 65 anos (5.568.081), nas unidades funcionais, o tempo de espera terá representado um custo de oportunidade global de 74.684.400 euros, correspondente a 0,04% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2014, traduzido na redução da produção de riqueza pelos trabalhadores/utentes que recorreram à prestação de cuidados de saúde nessas unidades”, lê-se no documento.

Relativamente às recomendações que o TcC tinha efectuado, este organismo considera que o Ministério da Saúde não deu resposta aos principais problemas.

“No final do primeiro semestre de 2015 existiam 1.280.425 utentes sem médico de família”, lê-se no relatório.

Para o TdC, a falta de médicos de medicina geral e familiar resulta da eventual cedência a interesses corporativos (“numerus clausus” restritivos à entrada nos cursos de medicina e condicionamento do acesso à formação pós-graduada) e da limitação do número de prescritores (médicos), por parte do governo, com o fim de restringir a oferta de serviços médicos e da ausência de incentivos eficazes à adequada distribuição territorial dos recursos humanos.

“O rácio de utentes inscritos por médico degradou-se. Registou-se uma diminuição de 71 médicos nos cuidados de saúde primários entre 2013 e o primeiro semestre de 2015”, prossegue o Tribunal.

Reportando-se ao primeiro semestre de 2015, o TdC indicou que o utente esperava, em média, 59 dias por uma consulta numa USF

Este organismo recorda que, em Junho de 2015, a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) estimava uma necessidade entre 629 e 770 médicos de família e alerta para a carência de médicos que tenderá a “agravar-se pelo crescimento acentuado das aposentações previsto para o período 2016-2021, num total de 1.761 aposentações”.

“Permanece a necessidade de libertação do tempo médico de tarefas administrativas e de outras em que possam ser substituídos por outros profissionais de saúde, tal como recomendado pelo Tribunal”.

O TdC aborda ainda a questão da prescrição electrónica de medicamentos que “introduziu benefícios, mas igualmente demoras, associadas a ineficácias dos meios informáticos utilizados, ocupando entre quatro a 10 minutos de cada consulta”.

Outra falha apontada é a ausência da “partilha de competências com o enfermeiro de família”.

Neste documento, o TdC aponta para o crescimento dos seguros de saúde, “em resposta a dificuldades de acesso ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) – tempos”.

“Existem mais de quatro milhões de subscrições de seguros e de subsistemas de saúde, o que contribui para o facto de mais de um terço dos utentes inscritos nos cuidados de saúde primários não ter recorrido às unidades do SNS”.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook