Autoridade Marítima promove simulacro de evacuação nas ilhas-barreira

Autoridade Marítima promove simulacro de evacuação nas ilhas-barreira

439
PARTILHE
Ao longo de todo o ano, a estação salva-vidas de Olhão articula-se com o INEM para efectuar a evacuação de doentes e feridos das ilhas-barreira

A Autoridade Marítima Nacional está a planear um simulacro de evacuação das ilhas-barreira (Armona e Culatra) com cinco núcleos habitacionais/praias (Fuseta, Armona, Culatra, Hangares e Farol), no próximo dia 2, no período da tarde, face ao elevado número de evacuações que são realizadas todos os anos nestas ilhas, para dar a conhecer ao público em geral este procedimento.

De realçar que é nestas ilhas que se localiza a maior percentagem de praias do concelho de Olhão.

Planeamento previsto para o evento

14.30 horas – Briefing aos órgãos de comunicação social (Capitania)

- Pub -

15.30 horas – Início da simulação (Olhão – Ilha da Culatra)

16.30 horas – Fim da simulação (Olhão)

16.45 horas – Período para entrevistas aos órgãos de comunicação social (área de evacuação – Olhão)

Os núcleos da Armona e os da Ilha da Culatra são habitados durante todo o ano, ao contrário do núcleo da Fuseta. “A acção da capitania do porto e do comando-local da Polícia Marítima de Olhão é indispensável, quer no apoio às necessidades da população residente nas ilhas durante todo ano, quer durante a época balnear com o aumento substancial da população”, afirma a Polícia Marítima em nota de imprensa. 

Ao longo de todo o ano, a estação salva-vidas de Olhão articula-se com o INEM para efectuar a evacuação de doentes e feridos das ilhas-barreira. Durante o Verão, o número de evacuações cresce exponencialmente, consequência do aumento sazonal de visitantes nas ilhas. São assim, cerca de 1.200 pessoas no Inverno e, aproximadamente, 9 mil durante a época balnear.

Durante o Verão, o número de evacuações cresce exponencialmente, consequência do aumento sazonal de visitantes nas ilhas

“Com o aumento do número de pessoas, mantendo os mesmos recursos, é necessário um ainda maior empenho dos elementos do ISN que guarnecem a estação salva-vidas, assim como de toda a estrutura que os apoia”, refere a Polícia Marítima. A estação salva-vidas tem duas equipas preparadas, uma em prontidão de 30 minutos e outra com uma prontidão de 12 horas. 

Durante as evacuações, a chegada ao local demora em média 40 minutos. Mas pode demorar uma hora, em função de factores diversos, nomeadamente, o local da evacuação e as condições meteo-oceanográficas. 

Em termos estatísticos, são efectuadas mais de 180 evacuações por ano, das quais 50% ocorrem durante a época balnear. Com o aumento do afluxo de banhistas, visitantes e turistas às ilhas, verifica-se ainda que este ano, em relação ao período homólogo do ano transato, as evacuações aumentaram mais 20%.

Estatísticas

Setembro de 2015 a Agosto de 2016 –  183 evacuações

Época balnear de 2015 – 86 evacuações

Época balnear de 2016 – 100 evacuações (até ao dia 26 de Agosto)

Janeiro a Agosto de 2015 – 112 evacuações

Janeiro a Agosto de 2016 – 151 evacuações (até ao dia 26 de Agosto)

Evacuações por núcleos (entre Julho de 2015 e Agosto de 2016)

Núcleo do Farol: 21

Núcleo dos Hangares: 2

Núcleo da Culatra: 117

Núcleo da Armona: 50

Fuseta Mar: 6

Facebook Comments

Comentários no Facebook