Piscicultura de Castro Marim colabora com IPMA para produzir corvina

Piscicultura de Castro Marim colabora com IPMA para produzir corvina

343
PARTILHE
Tanques da estação piloto de piscicultura de Olhão (Foto: IPMA)

Uma piscicultura em Castro Marim está a introduzir a corvina na sua produção, numa parceria com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que visa diversificar as espécies criadas em aquacultura, informou o proprietário.

André Cabrita, da Atlanticfish, é um dos produtores que recebeu os juvenis fornecidos pela estação piloto de piscicultura de Olhão, tutelada pelo IPMA, e explicou à agência Lusa que fez nos tanques em Castro Marim “a engorda das corvinas até ao seu tamanho comercial”.

A Lusa visitou a exploração no dia em que, segundo André Cabrita, se estava “a encerrar o processo” e se fez “a pesca para a sua comercialização”, num processo semelhante ao que já é feito com a dourada e o robalo e que rendeu à empresa um total de 150 toneladas no ano anterior.

“As corvinas chegaram aqui há dois anos, com cerca de 30 gramas, e hoje estamos a pescá-las com um a 1,2 quilogramas. É uma espécie nova, ainda tem o seu caminho a percorrer”, considerou o responsável da piscicultura, sublinhando que “foi a primeira vez” que a empresa fez produção de corvina e tem também outro tanque destinado ao sargo.

- Pub -

André Cabrita explicou que a corvina “tem bons crescimentos a elevadas temperaturas”, mas “essa realidade não se verifica o ano todo” e aqui “entrará a parte do IPMA”, para com a sua investigação “saber se é a parte da genética, se é a parte mais do maneio”, que tem “a solução para que a produção seja maior e seja uma espécie de maior interesse”.

Corvina (Foto: IPMA)

“Todo este trabalho é feito em parceria, cada um com o seu papel. O IPMA com o papel de investigação e de trazer para a indústria novos conhecimentos e abordagens, e depois a indústria tem o de pegar nesses conhecimentos e tecnologia desenvolvida, aplicá-la, testá-la e validar a sua aplicabilidade económica e prática”, acrescentou.

Pedro Pousão Ferreira, director da estação piloto de piscicultura de Olhão do IPMA, disse à Lusa que a corvina é uma espécie que se procura “introduzir comercialmente nesta actividade” para diversificar a produção tradicional em aquacultura feita no sul do mediterrâneo e “baseada na dourada e no robalo”.

“A Europa e Portugal têm de produzir mais em aquacultura e procuramos novas espécies para a actividade”, advertiu, acrescentando que houve uma “aposta forte na corvina” porque “tem um bom crescimento, uma boa resistência, um sabor óptimo e é bem conhecida de toda a gente”.

Pedro Pousão Ferreira disse que a corvina “tem ainda a vantagem de, ao crescer mais rápido, permitir filetar e fazer outro tipo de apresentações que, com a dourada e o robalo, se tornam demasiado caras”.

“Conseguimos uma corvina de dois/três quilogramas ao fim de dois/três anos e podemos processá-la de uma forma a ter todo o tipo dessas apresentações”, frisou, acrescentando que tem uma espécie com as mesmas potencialidades do salmão e que pode, por exemplo, ser vendida em posta ou filetes.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook