Museu de Loulé é palco de performance sobre opressão racial

Museu de Loulé é palco de performance sobre opressão racial

444
PARTILHE
No final do espectáculo o racismo e a escravidão serão temas de conversa com o público
No final do espectáculo o racismo e a escravidão serão temas de conversa com o público

A Sala Polivalente do Museu Municipal de Loulé vai ser palco da performance “Filhos do Fogo de Deus – Crónicas de uma história de opressão racial”, na próxima sexta-feira, dia 2 de Dezembro, pelas 18 horas.

“Filhos do Fogo de Deus”, conceito desenvolvido pelo padre António Vieira, é uma performance que permite trazer para o diálogo actual questões ainda hoje problemáticas que se relacionam com os direitos humanos e sociais e com a convivência entre povos de diferentes origens.

Esta é uma performance em formato de sessão de narração oral num ambiente sonoro, que junta uma selecção de temas musicais a textos históricos seleccionados a partir de monografias, dissertações, inquéritos, relatos e outros documentos da pesquisa histórica de Robert Edgard Conrad “Children of God’s Fire. A Documentary History of Black Slavery in Brazil”.

Os temas musicais cantados falam da escravidão. Os documentos históricos serão transformados em monólogos e diálogos, sem recurso a metáforas, e serão contados por dois actores: um negro, Mário Spencer, e um branco, Thomas Bakk, sublinhados por música incidental (composições contemporâneas para esculturas sonoras, de Victor Gama). O roteiro e direcção são de Tela Leão.

“No jogo teatral o máximo de fantasia que nos permitiremos será a alternância de papéis entre oprimido e opressor, para efeito de reflexão. O objectivo é tirar a História do domínio da pesquisa académica e trazê-la para o domínio da emoção, para que haja reconhecimento e justiça, para que não seja esquecida e na esperança que assim, talvez, possa um dia parar de se repetir… pois infelizmente a escravidão moderna é uma realidade”, pode ler-se na nota de imprensa enviada pela autarquia louletana à nossa redacção.

Pretende-se, no final da sessão, promover uma conversa e troca de impressões com o público, aproveitando não apenas para discutir os efeitos que ainda persistem na relação entre os descendentes de africanos e os brancos europeus ou seus descendentes, que geraram e nutriram o racismo, como também os casos de práticas de escravização que ainda persistem no século XXI, que usam outras técnicas, abusam de diferentes etnias, e servem outros mercados.

Esta iniciativa insere-se nas manifestações no âmbito da década dedicada pelas Nações Unidas aos afrodescendentes – “People of African Descent: recognition, justice and development”.

A entrada é livre.

Facebook Comments

Comentários no Facebook