Três centenas marcharam contra a exploração de hidrocarbonetos no Algarve e em...

Três centenas marcharam contra a exploração de hidrocarbonetos no Algarve e em Andaluzia

606
PARTILHE
Evento permitiu trocar conhecimentos, experiências e preocupações entre as pessoas que vivem no Algarve e em Andaluzia
Evento permitiu trocar conhecimentos, experiências e preocupações entre portugueses e espanhóis

A Ponte Internacional do Guadiana recebeu ontem perto de 300 pessoas que aderiram ao evento “Pontes pelo Clima” organizado por grupos do Algarve e de Huelva que contestam a prospecção e exploração de gás e petróleo.

Esta acção ibérica foi um primeiro encontro promovido pelos grupos “Tavira em Transição” e “Mesa del Rio” com o intuito de criar de laços entre portugueses e espanhóis tendo como ponto comum a defesa do ambiente e de opções alternativas à utilização e extracção de hidrocarbonetos.

A presidente da Associação de Surf e Actividades Marítimas do Algarve (ASMAA), Laurinda Seabra, explicou à Lusa que o evento permitiu trocar conhecimentos, experiências e preocupações entre as pessoas que vivem no Algarve e em Andaluzia, até porque em Andaluzia o processo já está mais avançado.

“O Governo está a brincar, não está a ouvir seriamente a população”, afirmou Laurinda Seabra considerando que o argumento de que é preciso conhecer as características e constituição do subsolo é falso.

“Ninguém está a explicar porque é que temos de saber o que é que existe [no subsolo]”, sublinhou.

O encontro ficou marcado pelo facto de a marcha prevista sobre a Ponte do Guadiana só se ter realizado na parte espanhola daquela estrutura porque a as autoridades portuguesas contactadas não deram autorização.

Entre os participantes portugueses estiveram membros da Plataforma Algarve Livre de Petróleo, do grupo Tavira em Transição, da ASMAA e grupos de Aljezur e Vila do Bispo que estão particularmente envolvidos na contestação da prospecção e exploração de gás e petróleo no Algarve.

“Portugal devia dedicar-se a 100% ao desenvolvimento de energias alternativas e criar uma nova lei a dizer que Portugal vai ser um país líder na área alternativa e não vai deixar a exploração de hidrocarbonetos ter lugar em Portugal. Isso é o que nós queremos”, afirmou Laurinda Seabra.

Espanhóis e portugueses voltam a encontrar-se em Lisboa a 12 de Novembro na marcha pelo clima.

No Algarve, a ASMAA tem inscrições abertas para a viagem de autocarro que está a organizar com vista à participação na marcha pelo clima.

(Agência Lusa)

Facebook Comments

Comentários no Facebook