ACRAL contesta novo adiamento da construção do Hospital Central do Algarve

ACRAL contesta novo adiamento da construção do Hospital Central do Algarve

981
PARTILHE
Taxa moderadora será de 7,75 euros, os tratamentos durante a interrupção voluntária da gravidez mantêm-se gratuitos
A construção do Hospital Central do Algarve está identificada como prioritária desde, pelo menos, 2006

A ACRAL – Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve lamenta o “perpétuo adiamento” da construção do Hospital Central do Algarve e contesta a intenção do actual Governo de remeter o assunto para a próxima legislatura.

“O novo hospital é crucial para a sustentabilidade do turismo no Algarve: a segurança, onde se incluem os serviços de saúde, é um dos pilares da competitividade do destino – sem serviços de saúde eficazes, degrada-se a imagem, retrai-se a procura”, considera o presidente da ACRAL.

“A contribuição do turismo do Algarve para as exportações nacionais”, acrescenta Álvaro Viegas, “é superior à da Autoeuropa – isto, só por si, justifica amplamente este investimento, tantas vezes prometido e sistematicamente adiado”, diz.

O serviço de saúde público no Algarve, refere o dirigente associativo, “está a sofrer alguma erosão, em grande parte por falta de recursos humanos, conforme reconhece a generalidade dos profissionais da área”.

“Um novo hospital, moderno, bem equipado, com boas condições de trabalho”, salienta o presidente da ACRAL, “tornaria muito mais fácil manter os profissionais na região e no serviço público, assim como ajudaria a trazer profissionais de outras zonas do país para o Algarve”.

“A construção do Hospital Central do Algarve”, recorda Álvaro Viegas, “está identificada como prioritária desde, pelo menos, 2006; em 2008 um primeiro-ministro de Portugal chegou a colocar nessa obra a primeira pedra; agora existe a possibilidade de ser constituída, em 2018 ou 2019, uma equipa de projecto para analisar o assunto… Não é admissível, nem para quem cá reside nem para quem nos visita”, conclui.

Recorde-se que o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, admitiu esta segunda-feira, dia 12, em visita ao Algarve, que as prioridades do Governo na zona Sul do país para o próximo ano são os hospitais de Évora e Seixal, remetendo a decisão sobre o hospital do Algarve para a “próxima legislatura”.

Facebook Comments

Comentários no Facebook