CHAlgarve acolhe 136 médicos internos para formação de início de carreira

CHAlgarve acolhe 136 médicos internos para formação de início de carreira

1351
PARTILHE
Hospital de Faro
A sessão de acolhimento dos 36 médicos Internos da Formação Específica (IFE) e dos 100 internos do Ano Comum (IACs) está agendada para o dia 2 de Janeiro

O Centro Hospitalar do Algarve (CHAlgarve) inicia o ano de 2017 com a recepção de 136 médicos internos que escolheram os hospitais públicos algarvios para realizarem a sua formação e darem inicio à carreira profissional.

A sessão de acolhimento dos 36 médicos Internos da Formação Específica (IFE) e dos 100 internos do Ano Comum (IACs) está agendada para o dia 2 de Janeiro, a partir das 9 horas, através de uma sessão de videoconferência em directo entre os auditórios das unidades hospitalares de Faro e Portimão, onde estarão presentes todos os membros do Conselho de Administração.

“No que respeita aos Internos da Formacão Específica foram colocados nas seguintes especialidades: Anatomia Patológica (1), Anestesiologia (2), Cardiologia (1), Gastrenterologia (1), Ginecologia/Obstetrícia (1) Medicina Física e de Reabilitação (2), Medicina Intensiva (2), Medicina Interna (10), Nefrologia (1), Neurologia (1), Oncologia Médica (3), Patologia Clínica (2), Pediatria Médica (2), Pneumologia (1), Psiquiatria (3), Radiologia (2), Urologia (1). Quanto aos internos do ano comum, apesar de praticarem uma medicina tutelada, vão ser colocados em diferentes especialidades nas unidades de Faro e Portimão de forma a poderem contactar e dar o seu apoio em diversos contextos clínicos, aprofundando assim os seus conhecimentos”, informa o CHAlgarve.

Para o presidente do Conselho de Administração, Joaquim Ramalho, “a recepção dos médicos internos é sempre um momento importante, pois para além de demonstrar a capacidade e dinâmica formativa dos vários serviços e especialidades clínicas nas respectivas unidades hospitalares, constitui, simultaneamente, uma oportunidade para captar o interesse dos jovens médicos para se fixarem na região ao serviço dos hospitais públicos. A formação é a garantia da continuidade das instituições não só pela renovação que proporciona mas também porque é na relação mestre-discípulo que se reforçam e se transmitem os valores que garantem a perpetuidade das instituições para além das pessoas que as integraram”.

Facebook Comments

Comentários no Facebook