Exposição itinerante sobre Casimiro de Brito inicia périplo em Albufeira

Exposição itinerante sobre Casimiro de Brito inicia périplo em Albufeira

1443
PARTILHE
Casimiro de Brito tem obra traduzida em 30 línguas
Casimiro de Brito tem obra traduzida em 30 línguas

A exposição itinerante “Entre Mil Águas: Vida Literária de Casimiro de Brito” vai ser inaugurada na próxima sexta-feira, dia 13 de Janeiro, no Arquivo Histórico de Albufeira.

Assim, a exposição que homenageia o poeta algarvio deixa a Fundação Manuel Viegas Guerreiro, em Portimão, onde foi inaugurada em 2016, para rumar a Albufeira na véspera do seu aniversário.

Vários painéis e um filme prometem aproximar a obra dos leitores, na descoberta ou na procura de um conhecimento mais amplo do autor.

Com obra traduzida em 30 línguas, entre elas árabe, hebreu, holandês, sueco, polaco, esloveno, servocroata, grego, romeno, búlgaro, húngaro, russo, chinês e japonês, Casimiro de Brito é um homem do mundo com raízes em Loulé. “Eu quero ser isso”. Assim decidiu ainda menino, sentado no colo de António Aleixo que, na tasca do pai de Casimiro, dizia a quadra do dia. “O Aleixo tinha a música, a sabedoria e a crítica social. O que faço é o resultado da audição aliada à necessidade de dizer coisas que foram sempre ditas, mas de modo diferente. Daí os meus 70 livros”.

Poeta tem granjeado elevadas distinções em Portugal e no estrangeiro

Do reconhecimento da diversidade, qualidade e originalidade da poesia de Casimiro de Brito, que tem vindo a alcançar as mais elevadas distinções em Portugal e no estrangeiro e está representado em mais de 200 antologias internacionais, nasceu a vontade da Fundação Manuel Viegas Guerreiro de homenagear o filho da terra. Foi o que aconteceu durante a 1.ª edição do FLIQ, o Festival Literário Internacional de Querença, que decorreu no ano passado ao longo de três dias.

Uma surpresa para o poeta, que não ficou indiferente ao convite: “Sempre ouvi a minha mãe falar desse menino genial que era Manuel Viegas Guerreiro, seu colega de escola primária, mas não imaginava que dezenas de anos depois iria encontrar a expressão materializada desse tal colega de quando ela tinha 10 anos, uma menina… é curioso! A vida está cheia de curiosidades e de subtilezas. Como é que uma pessoa depois de tantos anos de vida, de tanto conhecimento, de tantos continentes, de tantas línguas, de tanta filosofia, vai cair numa coisa que está ligada à sua infância. Isto é um mistério absoluto. É um mistério absoluto!”.

O poeta algarvio já escreveu 70 livros
O poeta algarvio já escreveu 70 livros

“Entre Mil Águas: Vida Literária de Casimiro de Brito” iniciará o seu périplo pelo Algarve em Albufeira, onde poderá ser visitada até dia 2 de Fevereiro com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Algarve, da Câmara de Loulé, da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas.

A exposição itinerante irá depois para a Biblioteca Municipal de Loulé, percorrendo outras bibliotecas e espaços do Algarve ao longo do ano de 2017, com convite expresso aos alunos de cada município, num elogio à leitura: “As bibliotecas são um excelente ponto de encontro para leitores com perfis muito distintos e um espaço que os estudantes elegem para estudar. Por isso, pensámo-las como espaço ideal para a divulgação da obra de Casimiro de Brito. Mas a exposição também poderá ser acolhida por escolas, associações culturais ou outros espaços expositivos, basta que manifestem esse interesse através do site da Fundação Manuel Viegas Guerreiro”.

Patrícia de Jesus Palma é investigadora do CHAM (Centro de História d’Aquém e d’Além-Mar) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa e colaboradora da Fundação Manuel Viegas Guerreiro. É responsável por este projecto de divulgação cultural e de promoção do gosto pelo livro e pela leitura.

Facebook Comments

Comentários no Facebook