Estrangeiros representam 12% das vendas da ERA em 2016

Estrangeiros representam 12% das vendas da ERA em 2016

553
PARTILHE
O preço médio de venda de imóveis no ano passado foi de 123 mil euros
O preço médio de venda de imóveis no ano passado foi de 123 mil euros

Os estrangeiros representaram 12% do total das mais de 12 mil vendas da imobiliária ERA em 2016, com especial destaque para franceses, ingleses e brasileiros, informou hoje o director geral da empresa, Miguel Poisson.

Na apresentação dos resultados do ano passado e das perspectivas para 2017, o responsável notou o grande aumento de compras por reformados franceses, uma nacionalidade que prefere sobretudo Lisboa, Porto e Algarve.

Entre os estrangeiros, os franceses representam cerca de 25% das transacções, seguidos dos ingleses (14%) e brasileiros (6%), precisou Poisson, perspectivando que os cidadãos do Brasil ganhem mais expressão.

Portugal também tem despertado interesse entre nórdicos e naturais do Médio Oriente, continuando os chineses a protagonizarem muitas transacções, no âmbito dos denominados vistos ‘gold’, acrescentou.

- Pub -

Segundo a Agência Lusa, a facturação da ERA subiu 30% em 2016, em relação a 2015, com Miguel Poisson a remeter para a convenção anual da empresa, agendada para Março, a divulgação de números absolutos.

Em termos de venda de imóveis, a ERA registou 1.500 milhões de euros e informou que 2016 foi o melhor ano de sempre desde que chegou a Portugal, em 1998.

O preço médio de venda de imóveis no ano passado foi de 123 mil euros, com Poisson a notar que na análise dos valores envolvendo compradores estrangeiros há preços mais elevados.

A nível das vendas ao abrigo do regime fiscal para residentes não habituais, aproveitado sobretudo pelos franceses, a média de compra é próxima dos 250 mil euros, referiu.

Para o aumento de vendas contribuíram as famílias nacionais, que “tinham estado a adiar” as compras, e o crescimento da atribuição do crédito à habitação, de 44% em 2016 face a 2015 para 5800 milhões de euros.

Arrendamento representou apenas 16% das transacções da ERA

O arrendamento representou no ano passado apenas 16% das transacções da ERA, com Poisson a notar que os centros das cidades com interesse turístico têm concentrado o interesse dos investidores sobretudo nos contratos com “cláusulas com subarrendamento”.

Para 2017, a ERA estima que o mercado imobiliário cresça cerca de 20% e que o crédito à habitação suba entre 25 a 30%.

“É provável que se assista à entrada de mais fundos estrangeiros, como dos Estados Unidos e do Reino Unido, em Portugal” na compra de empreendimentos semiacabados e que podem colmatar a falta de imóveis novos nas principais cidades, e em particular no Algarve.

Este ano também deverá ficar marcado com o aumento de projectos de construção nas zonas mais turísticas, referiu o responsável, afirmando ser “urgente” dar resposta à grande procura, nomeadamente nas proximidades de Lisboa.

A ERA tem uma rede de 186 lojas em todo o território nacional e mais de 2.350 colaboradores.

Facebook Comments

Comentários no Facebook