IKEA: “mercado do alojamento será fatia importante das receitas”

IKEA: “mercado do alojamento será fatia importante das receitas”

1589
PARTILHE
Abdelhak Ayadi IKEA
Abdelhak Ayadi prevê bons resultados no primeiro ano de actividade da loja IKEA, mas não avança números

“O mercado do alojamento será uma das fatias importantes da operação da loja IKEA no Algarve”, quem o afirma é Abdelhak Ayadi, o director da loja de Loulé que abre portas a 30 de Março como o POSTAL noticiou.

A afirmação foi feita em resposta ao POSTAL, à margem da apresentação do homem forte da IKEA no Algarve aos órgãos de comunicação social, hoje em Loulé.

O líder da loja algarvia da marca Sueca acrescenta que “estamos certos que aquilo a que chamamos o mercado Business to Business (entre empresas) terá um peso importante na facturação, não só ao nível dos hotéis e aldeamentos, mas também ao nível do alojamento local”, que necessita sempre de renovar mobiliário e outros bens que a IKEA comercializa.

Loja abre a tempo de conquistar as compras dos operadores da área do alojamento para 2017

Abdelhak Ayadi, reforça a ideia da importância deste mercado ao afirmar que “vamos abrir a loja a tempo dos operadores da área do alojamento fazerem as suas aquisições tendo em vista a época turística mais alta de 2017”.

IKEA aposta em todos os nichos de mercado, mas acredita que não secar o sector do mobiliário para as pequenas empresas
Abdelhak Ayadi, director do IKEA de Loulé
Abdelhak Ayadi, director do IKEA de Loulé
- Pub -

Para o director da futura loja IKEA no Algarve, a aposta da IKEA não se cinge a um nicho de mercado é antes ampla e multifacetada quanto a propostas e públicos-alvo.

“Nós não vendemos mobiliário, vendemos soluções para melhorar a qualidade de vida da casa das pessoas e dos espaços de habitação em geral”, afirma, ao mesmo tempo que reconhece – sem avançar números – que as previsões de resultados para o primeiro ano de operação “são bastante boas”.

Há mercado para todas as empresas, “o IKEA vende para muitos, mas não vende para todos”

Não obstante, o director da loja acredita que o IKEA não vai secar as pequenas lojas da área do mobiliário com a sua poderosa concorrência. “Acreditamos, e essa é a nossa experiência noutros locais, que depois da abertura do IKEA as lojas de pequena dimensão se adequarão ao mercado e conquistarão nichos próprios de clientela para si”, diz Abdelhak Ayadi, sublinhando que “o IKEA vende para muitos, mas não vende para todos”.

Espanha e Baixo Alentejo são mercados relevantes

O gigante da área do retalho de mobiliário aposta na loja de Loulé no mercado algarvio, mas também, como referiu Abdelhak Ayadi, “no mercado espanhol, que em muitos casos preferirá a loja de Loulé à de Sevilha”, a loja mais próxima da algarvia do lado de lá da fronteira.

“As portagens em Portugal não têm um custo significativo e a auto-estrada em Espanha é gratuita, pelo que acreditamos que há mercado a conquistar naquele país”, refere o responsável.

Quanto ao Baixo Alentejo o director da loja de Loulé passou ao lado da identificação desta região como área de origem de potenciais compradores, mas as previsões da IKEA para o projecto de Loulé – apresentadas desde o início do processo de investimento na loja do Algarve  – apresentam também o vizinho Baixo Alentejo como mercado potencial da loja algarvia.

Facebook Comments

Comentários no Facebook