Teresa Caeiro acusa Governo de discriminação face ao Algarve

Teresa Caeiro acusa Governo de discriminação face ao Algarve

554
PARTILHE
Teresa Caeiro é o primeiro nome do CDS-PP na lista da coligação pelo Algarve
Teresa Caeiro é a única deputada do CDS-PP eleita pelo Algarve

A deputada do CDS-PP Teresa Caeiro quer saber quais os motivos que ditaram a exclusão do Algarve do Programa de Valorização das Áreas Empresariais e questionou o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas sobre este procedimento discriminatório em relação a toda a Região e aos Algarvios, revelou a parlamentar em nota de imprensa dirigida às redacções.

Teresa Caeiro, acompanhada por Hélder Amaral, presidente da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, querem que “o ministro diga quais os motivos que ditaram a exclusão do Algarve do Programa de Valorização das Áreas Empresariais, se está preparado um outro Programa, semelhante a este, e exclusivo para a região do Algarve e, se não, como é que a Região do Algarve será compensada por este procedimento discriminatório da parte do Governo”.

Programa do Governo para facilitar acesso às zona industriais não chega à região
O primeiro-ministro António Costa intervém na apresentação do Programa de Valorização das Áreas Empresariais esta tarde na empresa MSC (Mediterranian Shipping Container) no Entroncamento, 7 de fevereiro de 2017. MIGUEL A. LOPES/LUSA
O primeiro-ministro António Costa durante a apresentação do programa plurianual de investimentos nas áreas empresariais

O programa prevê um investimento de 180 milhões de euros (ME), dos quais 102 milhões em acessibilidades rodoviárias e 78 milhões na criação e expansão de zonas empresariais. São abrangidas as regiões Norte (112 ME), Centro (50 ME) e Alentejo (18 ME) e estão previstos investimentos até 2021.

A deputada refere, citando ,e que “na cerimónia, e de acordo com uma notícia publicada no Jornal de Negócios online (“Costa: Investimento público de 180 milhões vai potenciar crescimento do país”), o Senhor Primeiro Ministro afirmou que “a prioridade foi muito clara: servir as zonas de localização empresarial e fazer o investimento público que melhor potencia o investimento privado realizado (…) É isso que estamos aqui hoje a fazer, investimentos que permitem potenciar o investimento que já foi feito pelas empresas, pelas autarquias, nas zonas industriais, e pelo Estado, nas infra-estruturas rodoviárias e ferroviárias, e que temos de potenciar para termos mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade””.

- Pub -

Ainda segundo a mesma notícia, acrescenta a deputada do CDS-PP, “o senhor ministro do Planeamento e das Infraestruturas afirmou que, além do investimento das acessibilidades em 12 áreas empresariais, o Governo tem “a expectativa de que mais 50 áreas empresariais venham a ser aprovadas no mapeamento a apoiar por Bruxelas, no mapeamento das três zonas de convergência”, ou seja, as regiões Norte, Centro e Alentejo.

Consultado o documento sobre o Programa, disponibilizado online, e porque poderia tratar-se de um lapso, o CDS-PP verifica que, efectivamente, a região do Algarve não está contemplada nesta valorização das áreas empresariais.

O Algarve é uma região com uma importância elevada para a economia nacional e regional, e para a taxa de emprego, sendo o turismo a sua actividade principal. Esta área é, como se sabe, a maior actividade exportadora nacional. Importa não esquecer todos os sectores da economia que giram em torno do turismo: hotelaria, restauração, construção, imobiliário, somando-se a isto as receitas provenientes do turismo através das receitas fiscais arrecadadas.

“A existência de boas infra-estruturas e o incentivo ao investimento são essenciais para o desenvolvimento do turismo”, destaca a deputada popular.

Sendo este um programa que visa potenciar o crescimento do país, e maior igualdade, o CDS-PP considera que a exclusão do Algarve no Programa de Valorização das Áreas Empresariais é um procedimento discriminatório em relação a toda a região e aos Algarvios.

Facebook Comments

Comentários no Facebook