Governo aposta na vigilância da costa no Algarve

Governo aposta na vigilância da costa no Algarve

404
PARTILHE
- Pub -
costa segura
Imagem do sistema Costa Segura onde se pode ver a câmera de vigilância com visão diurna e nocturna

Vila Real de Santo António passa a partir de hoje a contar com um ‘olho de águia’ sobre uma vasta área de zona costeira. A instalação do radar da Autoridade Marítima Nacional (AMN) integrado no sistema ‘Costa Segura’ traz à zona de costa e estuário do Guadiana um meio acrescido de vigilância.

O que ‘vê’ o novo radar

Este sistema de radar consegue cobrir uma área de 24 milhas náuticas (cerca de 45 quilómetros), e conta com uma câmara óptica térmica com capacidade de visão diurna e noturna num raio de cerca de três quilómetros.

Ao ‘olho de águia’ o sistema alia meios identificação (AIS – Automatic Identification System) que permitem a identificação das embarcações em tempo real e, ainda,  capacidade de seguimento de alvos.

Finalmente o radar conta com rádio vhf e um software de integração e gestão da informação.

SIVICC
A região conta também com o sistema de vigilância SIVICC

Assim todos estão debaixo da cobertura do sistema, quer os navios e embarcações que tem sistema de emissão de identificação AIS, quer aqueles que não estão obrigados a ter a bordo este tipo de Emissor de identificação.

- Pub -

O sistema radar de Vila Real de Santo António foi inaugurado na presença do secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello.

Um exercício de salvamento marítimo, em que uma lancha irá simular uma embarcação de pesca que sofreu um rombo, no seguimento do embate num tronco, no rio Guadiana foi o exercício de teste de todo o sistema.

As funções do sistema
VTS Farol_da_Ponta_do_ALtar_00
Em Ferragudo o sistema VTS ajuda a completar o mapeamento da costa do Algarve e das embarcações que a navegam

O Sistema Costa Segura tem por objectivo a obtenção de conhecimento situacional das zonas costeiras e litorais sob jurisdição das capitanias, recorrendo a um sistema integrado de sensores, efectivo mas de baixo custo, que permite promover a segurança da navegação, suportar acções de busca e salvamento e apoiar ações de combate à poluição.

A monitorização permitirá o controlo costeiro da entrada do Guadiana que é um ponto crítico da segurança costeira no que toca a acessos a território nacional a partir do mar.

Recorde-se que em Portugal além do Sistema Costa Segura – que se quer inteiramente instalado até 2018, segundo o Governo – a segurança costeira conta ainda com o sistema SIVICC  (Sistema Integrado de Vigilância, Comando e Controlo) e com o sistema VTS (Vessel Traffic System), cuja operacionalidade é controlada de forma centralizada em Lisboa no Centro de Comando e Controlo Nacional (CCCN) que tem uma unidade de reserva de emergência em Ferragudo, Lagoa, capaz de substituir em qualquer situação o CCCN.