Pintura mural e música sacra no ‘Tavira, Património e Artes’

Pintura mural e música sacra no ‘Tavira, Património e Artes’

570
PARTILHE
- Pub -
O concerto de canto e órgão conta com a interpretação de Carla Simões (soprano) e Armando Vidal (órgão)
O concerto de canto e órgão conta com a interpretação de Carla Simões (soprano) e Armando Vidal (órgão)

A Ermida de São Sebastião recebe no próximo sábado, dia 8 de Abril, às 10.30 horas, a palestra “A pintura mural no sul de Portugal: a ermida de São Sebastião de Tavira”, por Patrícia Rodrigues Monteiro (Bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia). Mais tarde, pelas 21.30, terá lugar na Igreja da Misericórdia o concerto “Jóias da Música Sacra Portuguesa – Séc. XVI a XVIII”. Ambas as iniciativas realizam-se no âmbito do programa “Tavira, Património e Artes”.

Entre o património existente na região sul do país encontram-se as soluções decorativas onde a cal foi presença dominante: esgrafitos, argamassas ornamentais, barramentos e pinturas murais.

A familiaridade material e conceptual entre estas técnicas deu origem a campanhas artísticas complexas, muitas vezes, concebidas de acordo com uma lógica de obra de arte total. De entre todas, a pintura mural merece destaque, não só pelo seu virtuosismo plástico, mas também pela sua capacidade em estabelecer o sincretismo entre os vários elementos que se conjugam no espaço arquitectónico.

No Algarve, a pintura mural permanece ainda um tema pouco explorado. Neste sentido, é apresentado o exemplo das pinturas descobertas, na Ermida de São Sebastião, em Tavira, submetendo-as a uma leitura comparativa que se pretende abrangente, enquadrando-as nas principais morfologias de pintura existentes em outros pontos do país. Sendo certas as dificuldades para a reabilitação destes (e de outros) valores patrimoniais, torna-se urgente conhecer e divulgar a realidade da pintura mural de modo a promover o debate quanto à viabilidade da sua preservação e dinamização.

O concerto de canto e órgão contará com a interpretação de Carla Simões (soprano) e Armando Vidal (órgão).

O programa contempla o seguinte alinhamento:

Séc. XVI

“Tiento de medio registro de tiple 7º tono” – F. Correa Arauxo (1583-1654)

Órgão solo

“In die tribulationes” – Damião de Goes (1502 – 1574)

“Quia fecit mihi magna”

“Fecit potenciam in brachio suo” – Manuel Rodrigues Coelho (1555-1635)

Séc. XVII

Batalha de sexto tom – Pedro de Araújo (1640-1705)

Órgão solo

Séc. XVIII

“Fac me vere” – Stabat Mater- João Rodrigues Esteves (1700-1755)

“Te gloriosus”

“Miserere” – Te Deum – Francisco António de Almeida (1702-1755)

“Laudamus te” – Missa em Sol M – Carlos Seixas (1704-1742)

“Qui venturus”

“Anima mea” – Mattutini dei Morti – David Perez (1711-1778)

“Laudamus te” – Missa Grande – Marcos Portugal (1762-1830)

Tocatta per Organo 22 em Dó Maior – F. Xavier Baptista (1730-1797)

Órgão solo

“Saggio nocchiero” – La Giuditta – Francisco António de Almeida

Tocatta per Organo 8 em Sol Maior – F. Xavier Baptista

Órgão solo

“Già turbini’è tempeste” – Il trionfo di Davidde – Brás Francisco de Lima