Protesto contra portagens no Algarve causa constrangimentos na EN 125

Protesto contra portagens no Algarve causa constrangimentos na EN 125

1520
PARTILHE
- Pub -
Os manifestantes exigiram m o fim das portagens na Via Infante de Sagres (Foto: Luís Forra / Lusa)
Os manifestantes exigiram o fim das portagens na Via Infante de Sagres (Foto: Luís Forra / Lusa)

Uma caravana automóvel percorreu esta segunda-feira, dia 17 de Abril, em marcha lenta a Estrada Nacional 125 (EN 125), no Algarve, para exigir o fim das portagens na A22, causando constrangimentos no trânsito naquela via que atravessa a região algarvia.

O protesto, promovido pela Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI), iniciou-se pelas 15.30 nas Quatro Estradas (Loulé) e terminou duas horas e meia depois no concelho de Lagoa, num percurso com cerca de 40 quilómetros, acompanhado por batedores da Guarda Nacional Republicana.

A caravana, composta por cerca de duas dezenas de veículos, provocou perturbações na circulação do trânsito na EN 125, protesto que foi entendido pelos condutores “como importante e necessário para acabar com a cobrança na Via do Infante”.

Os manifestantes exigem o fim das portagens na Via Infante de Sagres (A22), a antiga Scut (auto-estrada Sem Custos para o Utilizador), considerando que com portagens, “a mesma não é alternativa à Estrada Nacional 125, estrada reconhecida como uma das mais perigosas do país”.

“Este protesto é mais uma demonstração de que a luta contra as portagens irá continuar até que o Governo reverta a situação, ou seja, decida acabar com o pagamento na A22”, disse à Agência Lusa João Vasconcelos, deputado do Bloco de Esquerda e dirigente da CUVI.

- Pub -

Para o dirigente do movimento cívico, a marcha lenta “é uma forma de dizer ao Governo que já chega de tanta tragédia na EN 125, com o registo de mais de dez mil acidentes”.

“É uma tragédia que tem de acabar e, na nossa opinião, a isenção de portagens na Via do Infante iria diminuir o trânsito rodoviário na EN 125, aumentando a segurança de quem por ali tem de circular”, destacou.

O também parlamentar e candidato à Câmara de Portimão frisou que “a luta vai continuar, com o pedido de audiências ao Presidente da República e ao primeiro-ministro, iniciativas que estão a ser agendadas para breve”.

João Vasconcelos considerou ainda que as portagens, que vigoram desde 2011 na A22, “são um travão ao desenvolvimento do Algarve, afectando negativamente o turismo, principal motor da economia da região e do país”.

“O Algarve perde competitividade no turismo e o Governo tem de reverter a situação e acabar com as portagens”, concluiu.