Turismo do Algarve lança Guia de Percursos de Ciclismo de Estrada

Turismo do Algarve lança Guia de Percursos de Ciclismo de Estrada

849
PARTILHE
- Pub -
ciclismo
Ciclismo é uma das apostas da Região de Turismo do Algarve na área do turismo de natureza e ganha agora uma nova ferramenta promocional

A Região de Turismo do Algarve (RTA) vai lançar um novo guia turístico vocacionado para o segmento Cycling & Walking (ciclismo e caminhadas) do turismo regional, trata-se do Guia de Percursos de Ciclismo de Estrada.

O novo guia conta com a parceria da Federação Portuguesa de Ciclismo (responsável pelos textos) e da Cyclin’Portugal e disponibiliza 92 páginas de informação útil para os amantes das duas rodas quer em suporte papel, quer on-line (AQUI).

O novo guia propõe percursos de estrada dividindo o Algarve em três zonas, Este, Central e Oeste, cada uma com vários percursos com níveis de dificuldade classificados de 1 a 4, a que são acrescentados oito percursos de treino desportivo (de níveis 3 e 4) e, ainda, desafios de subida pura em cada uma das três zonas geográficas.

As propostas para o a Zona Este
Imagem da proposta nível 4 de percurso para a Zona este do Algarve. Cada percurso disponibiliza um QR Code que permite aceder à informação em suportes móveis.
Imagem da proposta nível 4 de percurso para a Zona este do Algarve. Cada percurso disponibiliza um QR Code que permite aceder à informação em suportes móveis.

Na Zona Este o guia propõe cinco percursos de nível 1, em Tavira, Alcoutim, Castro Marim, Vila Real e Olhão, com distâncias a variar entre 54 e os 70 quilómetros de extensão e desnível acumulado (d.a.) entre os 600 e os 980 metros.

Para cada percurso uma breve descrição do mesmo ajuda os leitores a perceberem o que podem encontrar, ao mesmo tempo que um QR Code permite aceder à informação em suportes móveis. Nesta zona o Turismo do Algarve propõe três percursos de nível 2, todos em Tavira, com extensão e d.a. máximos de 97 quilómetros e 1.650 metros respectivamente.

- Pub -

Quanto aos percursos de nível três, para a Zona Este oferecem-se dois percursos de extensão superior a 100 quilómetros e em cujo d.a. máximo atinge os 2.700 metros.

As propostas terminam com um percurso para os mais ambiciosos das duas rodas, com nível quatro, 163 quilómetros e um d.a. de 2.825 metros, também em Tavira.

A Zona Centro, percursos para todos os gostos
Imagem do percurso de nível 1 em São Brás de Alportel (Zona Este). Cada percurso é acompanhado de uma breve descrição informativa.
Imagem do percurso de nível 1 em São Brás de Alportel (Zona Este). Cada percurso é acompanhado de uma breve descrição informativa.

São sete os percursos propostos com o nível mais baixo de dificuldade pra a Zona Centro e abrangem seis concelhos Albufeira, Faro, Loulé, Lagoa, Silves e São Brás de Alportel. Quanto a distâncias variam entre 52 e 66 quilómetros e no que respeita aos d.a. situam-se entre os 525 e os 925 metros.

Em cada percurso a altimetria é mostrada aos leitores do guia através de um gráfico, ajudando a antever o percurso e as respectivas dificuldades e no que toca aos percursos de nível dois o d.a. pode atingir na Zona Centro os 1.480 metros. Este desafio encontra-se no percurso localizado em Vilamoura, sendo que a alternativa neste nível está num segundo percurso marcado em Albufeira.

No nível 3 e ainda na Zona Centro, mais dois percursos em Albufeira e Quarteira e, finalmente, no nível quatro de dificuldade o guia propõe para esta zona um percurso de 178 quilómetros de extensão que acumula em desnível 3.130 metros.

Os desafios na Zona Oeste e entre eles o maior acumulado de subida
Em cada uma das Três zonas da região o guia disponibiliza graficamente uma antevisão dos percursos propostos.
Em cada uma das Três zonas da região o guia disponibiliza graficamente uma antevisão dos percursos propostos.

Em cada zona o guia contém indicações sobre património digno de visita pelos amantes do ciclismo ao longo dos percursos propostos e na Zona Oeste está colocado o maior desafio de todo o guia para os que se dedicam a pedalar, excepção feita às propostas de subida pura.

Com o nível 4 o percurso proposto na Zona Oeste insere-se no concelho de Lagos e tem um d.a. de 3.300 metros, o maior do guia, com uma extensão de 163 quilómetros.

E não se pergunte o que é feito das subidas de Monchique, a serra mais alta do Algarve. Neste concelho o percurso proposto no guia tem somente 975 metros de d.a. numa extensão de 51 quilómetros e tem nível 1. A este nível propõem-se ainda outras três alternativas.

No nível 2 o guia desafia os homens e mulheres a pedalarem por dois percursos alternativos e no nível três por outros dois, sendo que neste caso o mais extenso tem 135 quilómetros.

Percursos desportivos

Quanto aos percursos desportivos o guia oferece quatro propostas de nível 3 e outras tantas de nível quatro em toda a região e sempre a percorrer barrocal e serra tanto como a zona litoral.

Albufeira, Faro, Portimão e Tavira têm cada um percursos de nível 3 e 4 que são desafios aos verdadeiros desportistas com extensão máxima de 177 quilómetros e 4.500 metros de acumulado de subida num percurso que inclui Portimão e a ‘imperdoável’ Serra de Monchique.

Para os trepadores
As propostas de subidas puras são 16 desafios lançados pelo guia aos escaladores
As propostas de subidas puras são 16 desafios lançados pelo guia aos escaladores

Para os verdadeiros trepadores o guia propõe 16 subidas espalhadas por toda a região em que o desafio mais ‘leve’ é a Subida de Faz Fato – com um d.a. de 158 metros e uma inclinação média de 3,2% – e o mais ‘pesado’ o da Portela da Nave, subida de 1ª categoria com um d.a. de 364 metros e uma inclinação média de 9%.

Quanto à inclinação média mais elevada o desafio que a oferece, como expectável, é a subida do Malhão com 10,16%.

A apresentação do guia é feita em primeira mão pela RTA durante o Algarve Smart Region Summit – 1.º Encontro Nacional de Autoridades Intermunicipais de Transportes, que decorre hoje a amanhã no Autódromo Internacional do Algarve.

O Turismo do Algarve está presente neste evento com um stand de 50 metros quadrados partilhado com a Federação Portuguesa de Ciclismo, com a Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilização de Bicicletas e com a Almargem.

desiderio 1
Desidério Silva reforça a aposta no ciclismo e no cicloturismo como ofertas turísticas regionais com ferramentas promocionais verdadeiramente úteis para os turistas

O programa Cycling & Walking Algarve reforça assim a aposta do destino no turismo de natureza com os objectivos de diversificar a oferta da região, aumentar a competitividade e captar fluxos turísticos nas épocas média/baixa.

Segundo Desidério Silva, presidente da RTA, a presença da instituição “vai animar o showroom do evento com uma área dedicada ao produto Cycling & Walking Algarve, que ao longo do último ano temos vindo a trabalhar em conjunto com o Turismo de Portugal, a Associação Turismo do Algarve, o aeroporto, os municípios e as empresas de animação turística”.

Não obstante ter sido criado a pensar directamente no turismo e nos turistas, a verdade é que o guia pode também ser de grande utilidade para o cada vez maior número de praticantes de ciclismo desportivo e de lazer existente na região.

Propostas consolidadas, devidamente marcadas e com informação disponível em vários suportes são uma ferramenta indispensável para quem se quer fazer à estrada numa bicicleta contando com a ajuda de um guia.