Investigadora da UAlg vence prémio internacional na área da Agricultura

Investigadora da UAlg vence prémio internacional na área da Agricultura

637
PARTILHE
alg-11 (1)
Prémio é atribuído anualmente a um investigador que tenha contribuído com um significativo avanço para a agricultura

Raquel Campos-Herrera, investigadora da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) no Centro para os Recursos Biológicos e Alimentos Mediterrânicos (MeditBio) da UAlg, foi agraciada pela Sociedade de Nematologista com o prémio internacional “Syngenta Crop Protection Award”.

Este prémio vai ser entregue no 56º Encontro Anual da Sociedade de Nematologistas, que decorrerá de 13 e 16 de Agosto, em Williamsburg, Virgínia, nos Estados Unidos da América.

Raquel Campos-Herrera tem-se dedicado ao estudo de “Nematódos Entomopatogênicos (NE) ”, utilizando esses organismos como modelo na área da agroecologia do solo. Os NE são amplamente distribuídos nos solos de todo o mundo, sendo também uma das melhores alternativas não-química para gerir pragas de insectos em culturas. A actividade dos NE é fortemente influenciada por factores bióticos e abióticos, como o tipo de solo, a flutuação climática e a presença de inimigos naturais. Actualmente, a investigadora procura compreender como vários entomopatogênicos (fungos, nematódos) interagem com as pestes e outros organismos na comunidade da rizosfera.

Raquel Campos-Herrera, a investigadora premiada

“A uma escala regional, exploramos a distribuição de NE nas redes de alimento dos solos dos principais habitats da região do Algarve, para explicar possíveis padrões de distribuição geográfica ligada a outras áreas subtropicais e temperadas, avaliadas nos nossos estudos anteriores”, explica Raquel Campos-Herrera. «Nós integramos metodologias do “insectos-isco” tradicionais e ferramentas moleculares de última geração, implementadas pela minha equipa do MEditBio, analisando o solo e fazendo avaliações geoespaciais para seleccionar factores chave que nos permitam descobrir qual o habitat preferido dos NE. Esta informação permitir-nos-á prever padrões regionais de NE noutras áreas do mediterrânio e o seu potencial exploratório de programas de controlo e conservação biológica.» De uma perspectiva ecológica, a investigadora pretende expandir o conhecimento sobre as interacções multitróficas do subsolo.

- Pub -

Investigadora diz que prémio lhe servirá de estímulo

Para Raquel Campos-Herrera este é um prestigiado reconhecimento para uma investigadora “nova” na área da agricultura, em particular na Nematolgia. “Usualmente, este prémio é entregue a investigadores que trabalham com “nematodos planto-parasitas”, por isso é uma excepção que um investigador que estuda o controlo biológico de agentes seja agraciado”, explica.

alg-18 (3)
Investigadora foi agraciada com o prémio internacional ‘Syngenta Crop Protection Award’

Como todos os prémios, também este servirá de estímulo, “não só porque reconhece a qualidade e relevância da minha investigação como nova investigadora, o que me encoraja a continuar nesta linha, mas também porque os meus pares decidiram investir o seu tempo e esforço a prepararem esta candidatura anónima, e eu tenho muita sorte por ter sido eleita entre todos os possíveis candidatos”, conclui Raquel Campos-Herrera.

Este prémio é atribuído anualmente a um investigador que não tenha sido previamente reconhecido e que tenha contribuído com um significativo avanço para a agricultura. Essa contribuição deve ter sido executada nos últimos cinco anos e o nomeado deverá ter realizado o seu doutoramento até 15 anos à data do prémio. Um investigador não pode autonomear-se, sendo os candidatos sugeridos pelos seus pares, normalmente outros investigadores na área da agricultura, com particular ênfase na nematologia (ramo da zoologia que estuda os nematódos).

Facebook Comments

Comentários no Facebook