Leitura da semana: Não se deixe enganar, COMCEPT – Comunidade Céptica Portuguesa

Leitura da semana: Não se deixe enganar, COMCEPT – Comunidade Céptica Portuguesa

820
PARTILHE
A proposta de leitura de Paulo Serra para esta semana. A rubrica Leitura da Semana é publicada semanalmente, à terça-feira. Paulo Serra é doutorado em Literatura na Universidade do Algarve e investigador do CLEPUL
A proposta de leitura de Paulo Serra para esta semana.
A rubrica Leitura da Semana é publicada semanalmente, à terça-feira.
Paulo Serra é doutorado em Literatura na Universidade do Algarve e investigador do CLEPUL

A COMCEPT, Comunidade Céptica Portuguesa, é uma «associação de cidadãos independentes, com diferentes formações académicas, cujos objectivos e compromissos passam por promover, em todos os âmbitos da sociedade, o uso do pensamento crítico e racional, com apoio no método científico». Diana Barbosa, João Lourenço Monteiro, Leonor Abrantes e Marco Filipe são os quatro autores deste livro publicado pela Contraponto e quatro dos membros fundadores da COMCEPT, formados em áreas tão diversas como Biologia, Genética, Biotecnologia, História e História da Ciência.

Abordando questões globais que têm sido alvo de polémica na actualidade recente, como a adivinhação tão presente nos programas da manhã, a histeria dos químicos e dos organismos geneticamente modificados, tratamentos detox e terapias alternativas, o movimento antivacinação, e com exemplos concretos ocorridos na sociedade portuguesa, os autores dissecam o pouco que há de verdade em muito do que hoje se apregoa num registo claro e acessível, onde não falta uma nota irreverente de humor, sempre com o cuidado de sintetizar as principais ideias no final de cada secção. No final deste «guia de sobrevivência» apresenta-se ainda alguns conselhos práticos de como pensar como um cientista e de como enganar e ser enganado, onde não falta uma receita de como fazer a sua própria pseudociência.

Print
A capa do livro proposto por Paulo Serra

Não se deixe enganar é a resposta necessária aos tempos de desinformação que vivemos, nesta «era da pós-verdade e dos factos alternativos», entre notícias falsas que merecem centenas ou milhares de partilhas, mesmo quando na maioria das vezes o leitor nem se deu ao trabalho de ler o artigo. Conforme ressalva o rótulo da capa «este livro não contém glúten», pelo que é um livro de digestão fácil. Pode sim provocar uma futura indigestão face a certas mentiras e ideias perniciosas («banha da cobra disfarçada de ciência») que nos impingirem no futuro.

Comentários no Facebook