‘Verão com Melão’: Como proceder em caso de insolação

‘Verão com Melão’: Como proceder em caso de insolação

811
PARTILHE
A OPINIÃO de FILIPE LARA RAMOS Nadador-salvador coordenador no Algarve veraocommelao@gmail.com
A OPINIÃO de FILIPE LARA RAMOS
Nadador-salvador coordenador no Algarve;
veraocommelao@gmail.com

São poucos os registos de insolação, mas pode-se tornar numa situação muito comum, principalmente no Algarve, onde estão reunidas as condições ideais para esta situação. A insolação é uma situação, que pode acontecer a qualquer indivíduo e a qualquer idade. Surge devido à exposição prolongada ao sol ou ao calor intenso, em ambiente quente e seco, que pode provocar falência do mecanismo de regulação térmica.

Devido às condições extremas ambientais o organismo não consegue controlar a temperatura através da transpiração, e assim, a insolação pode ocorrer de forma repentina.

Os sintomas mais frequentes são: a pele com aspeto congestionado e avermelhado; aumento da temperatura corporal; tonturas; agitação; pela seca; dores de cabeça; náuseas ou vómitos; frequência cardíaca forte e irregular; convulsões; ventilação rápida e profunda. Nos casos mais graves a perda de consciência pode estar eminente. Apesar do organismo tenha a transpiração como mecanismo de defesa, nesta situação ocorre uma falha neste mecanismo, ficando incapacitado para se resfriar.

O procedimento para o tratamento da insolação é simples, e, acessível a qualquer pessoa. Deve deslocar a pessoa imediatamente para um local fresco, com sombra e arejado. Deve hidratá-la, arrefecê-la gradualmente todo o corpo, dando a maior importância à zona da cabeça. Envolver a pessoa num lençol húmido ou numa manta térmica (esta manta encontra-se nas malas de primeiros socorros dos nadadores-salvadores) e deve vigiar as funções vitais.

cronica 11
Proteja-se sempre do sol

Caso exista queimaduras na pela devido a exposição solar, deve aplicar compressas frias ou de soro fisiológico, para aliviar a reação inflamatória da pele.

Em dias quentes e com muito sol, deve evitar a exposição solar nas horas de maior irradiação

O melhor período para banhos de sol é antes das 10 horas da manhã e após as 16 horas da tarde. Assim, evita a incidência de raios ultravioletas, precavendo-se do cancro da pele. Recomenda-se sempre a aplicação de protetores solares. Pode também ingerir mais líquidos, pelo menos três litros de água por dia, usar roupas leves e claras. Não faça exercícios físicos sob o sol, principalmente no horário crítico. Coloque protetor solar pelo menos 15 minutos antes da exposição solar e reaplique-o em cada duas horas. Use óculos de sol para proteger os olhos.

Nunca se esqueça de chamar o nadador-salvador sempre que surgir uma ocorrência desta natureza. Qualquer intervenção no âmbito das competências dos nadadores-salvadores deve ter seguimento em termos de cuidados diferenciados de saúde, ou seja, deve-se reencaminhar a vítima para os centros de saúde ou hospital. O primeiro socorro deve ser encarado como o princípio de um processo de tratamento e nunca deixar a impressão à vítima que está tratada, exceto situações simples, como por exemplo a aplicação de um penso rápido. Relembramos que os postos de praia onde se encontram os nadadores-salvadores está uma mala de primeiros socorros preparada para actuar. O tempo é crítico em situações de emergência com perigo de vida.

O que mais aconselho é um “Verão com Melão” sem insolação!

Artigo publicado no âmbito da parceria entre o POSTAL e Filipe Lara Ramos ‘Verão com Melão’.

Esta rubrica destina-se a sensibilizar a população e fomentar a segurança nas praias durante a época balnear de 2017.

(NOTA: Os conselhos e indicações expressos neste artigo não dispensam o cumprimento pelos leitores das regras gerais de segurança nas praias e as indicações das autoridades competentes em cada zona balnear).

Facebook Comments

Comentários no Facebook