BE não quer nova ponte no centro de Tavira

BE não quer nova ponte no centro de Tavira

1113
PARTILHE
jose manuel carmo be tav
BE vai às urnas em Tavira com o cabeça-de-lista à Câmara José Manuel do Carmo

José Manuel do Carmo é a proposta do  BE para presidir aos destinos do concelho de Tavira a artir do próximo domingo e até 2021.

Às urnas o candidato bloquista leva várias propostas que incluem investimento na habitação social e o novo porto de pesca.

O candidato não quer uma nova ponte no centro da cidade projectada por Jorge Botelho.

As respostas do candidato às perguntas do POSTAL

POSTAL (P): Quais as razões determinantes para que se candidate à Presidência da Câmara?
José Manuel do Carmo (JMC): Num processo democrático, a presença de uma oposição é fundamental. Numa vereação não importa apenas quem ganha, senão que existam vereadores de diferentes forças políticas que contribuam com ideias, propostas e uma perspectiva crítica.

Na Câmara Municipal de Tavira apenas estão representados o PS e o PSD e na Assembleia Municipal existe apenas um representante do BE. Em Tavira, a oposição PSD, liderada por Elsa Cordeiro, tem sido totalmente ausente: total ausência de crítica, de propostas e de ideias. Está hoje claro que o Bloco de Esquerda é uma força indispensável e capaz, contribuindo para melhores governações, tanto como oposição crítica, exigente e com ideias novas, como contribuindo para processos de convergência política com as forças políticas à esquerda e com movimentos de cidadãos.

P: Na sua opinião quais são os problemas fundamentais do concelho?
JMC: A procura turística e a necessidade de fixar os jovens exigem um programa habitacional ousado. Alargar perímetros urbanos das sedes de freguesia, permitindo o seu crescimento populacional; desenvolver um programa de habitação social e promover a habitação socialmente apoiada e regular o mercado.

O trânsito na cidade tem vindo a tornar-se caótico, pelo que propomos o desenvolvimento de um estudo alargado e o debate público sobre a revisão do desenho da circulação automóvel capaz de preparar o futuro. Estimular a utilização de transportes públicos, desenvolvendo o ‘Sobe e desce’, tornando-o mais eficaz para os bairros mais afastados e as freguesias e articulado com as escolas e os transportes rodoviário e ferroviário.

Defender a pesca pela exigência firme do início da construção do Porto de Pesca e das necessárias dragagens; a requalificação e relocalização das lotas e a criação de condições para a frequência de cursos de formação para pescador aos jovens de Tavira.

P: A sua candidatura é a melhor opção para dirigir os destinos da Câmara porquê?
JMC: Temos um programa com ideias muito concretas e realizáveis. Temos uma equipa com técnicos qualificados e com formação académica. Temos a capacidade para encontrar consensos e mobilizar vontades. Temos uma visão e projectos nas diferentes áreas, da cultura ao desenvolvimento e qualidade de vida dos tavirenses. Não privilegiamos a cidade face às freguesias, o nosso pensamento integra desenvolvimento económico com tradição e qualidade de vida.

P: Quais as grandes propostas diferenciadoras da sua candidatura face às dos restantes candidatos?
JMC: Optar pelo Bloco de Esquerda é optar entre uma ponte cara e inútil no centro da cidade com carros a atravessar o jardim público e a necessidade de investir em habitação social e socialmente apoiada. A opção do Bloco pelo desenvolvimento da cultura dos tavirenses em contraponto com uma política focada em espectáculos muito caros para animar os turistas.

A nossa opção é pelo desenvolvimento económico com base nas marcas mediterrânicas da pesca artesanal e da produção agrícola do concelho e um turismo sustentável para um público que procura a qualidade. O Bloco de Esquerda olhará para a cidade perdida de Balsa como uma pérola que nos dará cultura e simultaneamente desenvolvimento económico.

Nós optaremos por dar aos tavirenses transporte urbano que efectivamente sirva as pessoas. Procuraremos revitalizar as Quatro Águas e voltar a fazer da ilha de Tavira o paraíso que os tavirenses merecem. Não permitiremos que não haja uma urgência no Centro de Saúde de Tavira.

P: As duas primeiras medidas estruturantes a avançar caso vença as eleições, quais serão?
JMC: Imediatamente abordaremos o Governo e os Ministérios correspondentes para rever o plano de investimento na orla marítima de forma considerar o início de construção do porto de pesca e as estruturas que permitirão um relançamento da actividade de pesca no concelho.

Reforçaremos o ‘Sobe e Desce’ de modo a melhor servir a população. Estudaremos com os correspondentes departamentos governamentais o lançamento de um programa de habitação social. De igual modo trataremos de lançar medidas que favoreçam o arrendamento de longa duração e a diminuição da habitação devoluta e degradada. Exigiremos a abertura da urgência do Centro de Saúde de Tavira.

Facebook Comments

Comentários no Facebook