Curcuma no combate ao Lúpus: uma arma poderosa

Curcuma no combate ao Lúpus: uma arma poderosa

582
PARTILHE
Vera Belchior Naturopata Perturbação de Hiperactividade com Défice de Atenção verabelchior@gmail.com
Vera Belchior
Naturopata
Perturbação de Hiperactividade
com Défice de Atenção
verabelchior@gmail.com

Se o nosso sistema imunitário atacar as células produtoras de insulina no pâncreas, podemos desenvolver diabetes do tipo 1.

Se por outro lado atacar a glândula da tireóide, podemos desenvolver hipotireoidismo.

Mas na doença auto-imune lúpus, o nosso sistema imunitário ataca o próprio núcleo das células, muitas vezes produzindo e atacando o próprio ADN.

Assim, o lúpus pode danificar qualquer órgão e resultar em quase qualquer complicação.

As mulheres são nove vezes mais propensas a desenvolvê-lo e a idade do pico é muitas vezes no auge da vida.

Uma das manifestações mais comuns de ameaça aos órgãos é a inflamação dos rins que ocorre em cerca de metade dos pacientes.

A inflamação do rim é também um dos efeitos mais graves do lúpus, causado pela doença em si ou como resultado da intensa toxicidade das d r o g a s imunossupressoras. Por exemp l o , a s drogas de quimioterapia, endoxan ou cytoxan (ciclofosfamida), que podem ter efeitos colaterais de grande risco incluindo leucemia e cancro da bexiga.

A necessidade de melhores tratamentos
A curcuma é geralmente conhecida como açafrão

Como tal, há uma necessidade desesperada de melhores tratamento. Felizmente, existem alguns complementos.

A suplementação oral de curcuma diminui a proteinúria, hematúria e a pressão arterial sistólica (as principais manifestações clínicas) em pacientes que sofrem de recidiva (nefrite lúpica intratável) de acordo com um estudo randomizado e duplo-cego controlado por placebo.

No grupo de controle, três pessoas ficaram melhores, três pioraram e o resto permaneceu sem alterações.

No grupo da curcuma, uma piorou, uma ficou igual, mas todos os outros melhoraram.

curcuma quadro
Quadro de análise dos resultados do estudo realizado com suplementação de curcuma

Reparem que o estudo foi realizado usando o açafrão, ou seja, a especiaria por completo e não a curcumina, que é o principal ativo extraído e dados muitas vezes em forma de comprimido.

Estas mulheres estavam com uma crise de lúpus descontrolada e apenas lhes deram a tomar cerca de 1/4 de colher de chá de açafrão a cada refeição durante três meses.

(Artigo publicado na edição online do Caderno Semear Saúde)