Vinte pessoas morreram nas praias portuguesas desde Maio

Vinte pessoas morreram nas praias portuguesas desde Maio

235
PARTILHE
praia dos salgafos
Compete às câmaras municipais definir a época balnear em cada praia do seu concelho

Vinte pessoas morreram nas praias portuguesas desde Maio, das quais nove antes da abertura da época balnear, segundo divulgou a Autoridade Marítima Nacional.

De acordo com um balanço, um total de 11 pessoas morreram já durante a época balnear: três pessoas em praias vigiadas, seis em praias sem vigilância e duas em praias fluviais vigiadas (nenhuma faleceu em praias fluviais não vigiadas).

Foram nove as pessoas que faleceram antes da abertura da época balnear: duas na Nazaré, duas em Espinho, uma na praia da Rainha (Cascais), uma na praia da Lagoa (Póvoa de Varzim), uma na Foz do Lisandro (na Ericeira), uma em São Torpes (Sines) e uma em Porto Covo.

Das mortes neste período, três pessoas (um casal espanhol de 63 e 65 anos e uma austríaca de 66 anos) foram colhidas por ondas enquanto passeavam junto ao areal e as restantes sete morreram afogadas enquanto nadavam.

- Pub -

Também antes da abertura da época balnear, que é decidida pelos municípios, morreram uma criança de 10 anos, três jovens de 17, 18 e 19 anos, e dois homens de 32 e 39 anos. Embora a maior parte destas vítimas tivessem nacionalidade portuguesa, entre os mortos estava também um cidadão brasileiro e um outro cabo-verdiano.

Depois da abertura da época balnear, morreram 11 pessoas, a maior parte delas (6) em praias marítimas não vigiadas: na praia da Ilha do Farol (Olhão), na praia da Amorosa e na praia de Belinho (ambas em Viana de Castelo), na praia da Cova do Vapor (Lisboa), praia do Cabadelo (Figueira da Foz).

Nestas praias morreram pessoas entre os 33 anos (um homem que nadava e morreu afogado) e os 74 anos (uma mulher que passeava à beira-mar e cuja causa da morte permanece por conhecer), segundo noticia a Agência Lusa.

Nas praias marítimas vigiadas morreram três pessoas: um rapaz de 17 anos, que nadava na praia da Fonte da Telha (Lisboa) e teve uma presumível congestão, uma mulher de 52 anos, que nadava na praia das Maçãs (Cascais), que também teve uma congestão, e uma ucraniana de 60 anos que teve um ataque cardíaco na praia da Fuzeta (em Olhão).

Os dados da Autoridade Marítima Nacional dão conta ainda de duas mortes em praias fluviais: de um jovem de 15 anos na praia Fluvial da Eira (Montemor-o-velho), que “não voltou à superfície depois de um salto para a água”, e um outro de 24 anos, de nacionalidade guineense, que “desapareceu na água sem ser visto” na praia fluvial de Adaúfe (Braga).

Entre 1 de Maio e 14 de Setembro, os nadadores salvadores fizeram 434 salvamentos, prestaram primeiros socorros 640 vezes e fizeram buscas por crianças 44 vezes.

A maioria das praias portuguesas inicia a época balnear durante o mês de Junho, de acordo com a portaria publicada pelo Governo em Diário da República, que refere que a época balnear decorre entre 1 de Maio e 15 de Outubro.

 

 

- Pub -