Apenas duas cirurgias realizadas no Algarve devido à greve dos médicos

Apenas duas cirurgias realizadas no Algarve devido à greve dos médicos

461
PARTILHE
- Pub -
Serviços de saúde vão ser afectados pela paralisação em toda a região
Há uma adesão muito elevada dos médicos à greve

Dezenas de cirurgias tiveram que ser adiadas, no Algarve, devido à greve dos médicos, tendo sido realizadas apenas duas cirurgias nos blocos operatórios dos hospitais de Faro e Portimão, disse à Lusa fonte do Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

Em declarações à Lusa, João Dias, adiantou que, das seis salas operatórias existentes em Faro, apenas uma funcionou, para a realização de uma cirurgia urgente, por haver suspeitas de um tumor no ovário, tal como em Portimão, onde a única sala que funcionou foi para fazer uma nefrectomia (remoção de rim), cirurgia assegurada pelos serviços de Urgência.

Apesar de ainda não ter conseguido reunir dados concretos acerca do número de consultas e de internamentos cancelados, aquele responsável sublinhou que há uma adesão “muito elevada” dos médicos, o que levou à quase paralisação de especialidades como Oftalmologia, Cirurgia e Cardiologia.

À entrada para as consultas externas, a Lusa falou com uma utente, que não se quis identificar, mas que revelou ter tido uma consulta de Neurocirurgia desmarcada, lamentando não saber agora quando poderá ser vista por um especialista para o tratamento de uma hérnia.

“Já tinha esperado nove meses por uma ressonância, que fiz no mês passado, e anteontem ligaram-me do hospital a dizer que tinha consulta hoje”, contou, sublinhando que o caso é “relativamente urgente”, pelo que “precisava mesmo da consulta de hoje”, desmarcada devido à greve dos médicos.

Já Ionel Pribeagu, de 57 anos, natural da Roménia, veio de Quarteira para uma consulta de Cirurgia, devido a uma apendicite, mas teve também que voltar para trás, depois de ter esperado várias semanas pela consulta.

“É mau porque tenho que trabalhar mesmo doente e não posso perder tempo, além do dinheiro que gasto em gasolina para vir aqui”, contou à Lusa o romeno, a viver em Portugal há 12 anos.

A Lusa tentou obter dados de adesão à greve junto do Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA), mas fonte da administração disse que não iriam ser revelados números.

Já no centro de saúde de Vila Real de Santo António, os utentes depararam-se hoje de manhã com situações distintas, consoante, com os utentes da Unidade de Saúde Familiar (USF) Esteva a serem, no geral, atendidos, constatou a Lusa.

Situação distinta afectava alguns dos utentes da USF Levante, que se encontra localizada no outro lado do edifício do centro de Saúde de Vila Real de Santo António, onde a Lusa encontrou alguns utentes afectados pela paralisação.

“Uma das funcionárias disse-me que dois médicos tinham feito greve e só um deles estava a trabalhar. Infelizmente, um dos que aderiu à greve é o meu médico de família e vou ter que remarcar a consulta para outro dia”, lamentou uma utente.

Por seu turno, Carla Pereira criticou a falta de informação sobre a greve dos médicos, considerando a própria unidade de saúde “devia avisar quem tem consultas marcadas” de que os médicos poderiam não comparecer ao serviço.

“Assim, já sabíamos que poderíamos ter ou não ter consulta e, perante essa possibilidade, decidir se queríamos marcar logo a consulta para outro dia e evitar deslocações e esperas desnecessárias”, disse.