Aprovado sistema português de consulta de impressões digitais

Aprovado sistema português de consulta de impressões digitais

891
PARTILHE
impressoes digitais
Decisão entrará em vigor no dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da UE

O Parlamento Europeu (PE) aprovou esta quarta-feira, 4 de Outubro, um projecto de decisão do Conselho da União Europeia (UE) que habilita Portugal a trocar dados pessoais para consulta automatizada de impressões digitais, para combater criminalidade e terrorismo transnacionais.

A transmissão de dados pessoais, em particular no domínio da luta contra o terrorismo e a criminalidade, só pode ser efectuada quando as disposições gerais relativas à protecção de dados dessa decisão tenham sido incorporadas na legislação nacional, no território dos Estados-membros que participem nessa transmissão.

Em 18 de Maio, o Conselho da UE concluiu que Portugal aplicou integralmente as disposições gerais relativas à protecção de dados previstas nessa decisão, tendo o PE dado hoje o seu aval.

O projecto de decisão de execução relativo ao lançamento do intercâmbio automatizado de dados dactiloscópicos (impressões digitais) em Portugal, que habilita o país a receber e a transmitir dados pessoais no âmbito dessa cooperação transfronteiras foi aprovado por 596 votos a favor, 72 contra e 18 abstenções.

A decisão entrará em vigor no dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da UE.

O diploma que regula a identificação judiciária lofoscópica (impressões digitais e outras) e fotográfica destinada à prevenção e investigação criminal foi promulgado, em Julho, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O texto regulamenta o ficheiro central de dados de impressões digitais do Laboratório de Polícia Científica da Polícia Judiciária para fins de investigação e prevenção criminal e responde a obrigações internacionais do Estado português em sede de cooperação policial e judiciária internacional em matéria penal para efeitos de prevenção e investigação criminal, segundo noticia a Agência Lusa.

O diploma regulamenta ainda a transmissão de dados dactiloscópicos no âmbito da cooperação transfronteiriça, em particular no domínio da luta contra o terrorismo e da criminalidade transnacional.

Facebook Comments
Advertisements

Comentários no Facebook