Governo aumenta verba para ajudar festivais de Verão a serem mais verdes

Governo aumenta verba para ajudar festivais de Verão a serem mais verdes

229
PARTILHE
festival da sardinha
Combate ao desperdício em festivais de Verão permitiu poupar 250 mil euros na gestão de resíduos

O Governo vai aumentar de 500 mil para 600 mil euros o dinheiro para apoiar práticas ecológicas em festivais musicais e outros, como feiras medievais, afirmou o ministro do Ambiente.

João Pedro Matos Fernandes, que falava aos jornalistas em Lisboa à margem da entrega de prémios a oito dos festivais que aderiram ao programa “Sê-lo Verde”, indicou que nos festivais aderentes estiveram “2,1 milhões de espectadores a quem foi transmitida uma fortíssima mensagem ambiental”.

Além de ouvirem falar de economia circular, em que se combate o desperdício, tiveram “experiência prática” ao terem água só da torneira disponível, copos que não eram descartáveis e puderam carregar os telemóveis com dispositivos a energia solar.

Estas práticas foram comparticipadas em 500 mil euros no ano de 2017 e permitiram “poupar 250 mil euros só na gestão de resíduos”, porque foram produzidas menos 160 mil toneladas de lixo, destacou.

No ano que vem, as condições de entrada no programa serão “mais exigentes” e os festivais terão que ter à partida copos recicláveis e fornecer água da torneira, reservando-se o apoio financeiro a “actividades mais exigentes de educação ambiental e boas práticas”.

O dinheiro que o Governo pôs no “Sê-lo Verde” foi “60 por cento do investimento total que foi necessário fazer”, enquanto os promotores dos festivais gastaram ao todo cerca de um milhão de euros.

João Paulo Matos Fernandes indicou que se estima que cada espectador de um festival de música é responsável por “7,5 quilos de resíduos”.

Como o problema das alterações climáticas e do desperdício “não é só das gerações futuras”, o “Sê-lo Verde” propõe-se chegar a outro tipo de festejos ao ar livre com entrada paga, como as feiras medievais promovidas pelas autarquias, em que a idade média dos frequentadores é superior à dos festivais de música, que continuarão a ser os principais envolvidos.