Lagos adere ao projecto ClimAdaPT.Local promovido pela Agência Portuguesa de Ambiente

Lagos adere ao projecto ClimAdaPT.Local promovido pela Agência Portuguesa de Ambiente

174
PARTILHE
RMpALAC
Rede visa aumentar a capacidade dos municípios em incorporar a Adaptação às Alterações Climáticas nas suas políticas

O município de Lagos é um dos 30 municípios dotados de instrumentos de planeamento de Adaptação Local às Alterações Climáticas que integram a Rede de Municípios para a Adaptação Local às Alterações Climáticas (RMpALAC), no âmbito do projecto ClimAdaPT.Local, promovido pela Agência Portuguesa de Ambiente.

A Presidente da Câmara de Lagos, Maria Joaquina Matos, esteve ontem, 23 de Novembro, em Loulé, para a Assinatura da Carta de Compromisso da RMpALAC e participação no 2º Conselho Geral.

RMpALAC foi criada em Dezembro de 2016

A Rede foi criada em Dezembro de 2016 e visa aumentar a capacidade dos municípios em incorporar a Adaptação às Alterações Climáticas nas suas políticas, instrumentos e intervenções, através da facilitação da troca de experiências entre instituições, técnicos e especialistas e da capacitação das autarquias locais.

Em Julho deste ano, a Câmara de Lagos apresentou publicamente o seu Plano Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas, que define uma estratégia de adaptação local às alterações climáticas e um plano de acção que a operacionalize, reduzindo a vulnerabilidade do território e promovendo a sua adaptação e resiliência. De acordo com a autarquia, “o território correspondente ao concelho de Lagos, pela sua localização meridional e litoral, enfrentará grandes desafios no futuro em resultado das alterações climáticas, sendo expectáveis implicações significativas sobre os sistemas naturais, sociais e económicos. Por essa razão, exige-se também ao nível municipal a rápida definição de uma resposta adaptativa que reduza a sua vulnerabilidade actual e futura”.

Conheça os objectivos da rede

Esta Rede de Municípios assume como os objectivos principais:

  • facilitar a troca de experiências entre municípios, fortalecendo as práticas em curso e o desenvolvimento de soluções inovadoras, alargando as práticas de adaptação local a mais municípios;
  • promover a troca de conhecimento e de experiências entre as autarquias locais, as instituições de ensino superior e do sistema científico e tecnológico, as empresas e o tecido associativo, ao nível da adaptação local;
  • promover relações de cooperação internacional com outras redes e estruturas, facilitando a incorporação de novas abordagens e soluções e divulgando as práticas implementadas pelos municípios portugueses;
  • promover a capacitação das autarquias, nomeadamente dos eleitos e dos técnicos, no domínio da adaptação às alterações climáticas ao nível local:
  • gerir e ampliar o sistema de informação de apoio à capacitação na adaptação às alterações climáticas desenvolvido no âmbito do ClimaAdaPT.Local.