Museu de Portimão inaugura exposição ‘Günter Grass: Encontros’

Museu de Portimão inaugura exposição ‘Günter Grass: Encontros’

305
PARTILHE
gg-trabalhar
Exposição apresenta um vasto conjunto de desenhos, aguarelas, gravuras e esculturas de Günter Grass

O Museu de Portimão vai inaugurar, no dia 8 de Dezembro, pelas 16 horas, a exposição “Günter Grass: Encontros”, com obras do escritor, poeta, dramaturgo e artista plástico, que em 1999 ganhou o Prémio Nobel da Literatura.

A exposição que traz a público um vasto conjunto de desenhos, aguarelas, gravuras e esculturas do artista plástico é um projecto do Goethe-Institut Portugal e da Fundação Günter e Ute Grass, em colaboração com o Günter Grass Haus, o Museu e o Município de Portimão e conta com o apoio da Embaixada da República Federal da Alemanha, da Associação São Bartolomeu dos Alemães em Lisboa e da Niepoort.

Nascido a 18 de Outubro de 1927, na actual Polónia, desenvolveu com Portugal nos anos 80 e em concreto com a freguesia da Mexilhoeira Grande, lugar que escolheu para lhe servir de retiro e inspiração, uma relação muito rica e diversificada. Foi no isolamento do país à beira-mar plantado que encontrou no seu domicílio a paz muitas vezes perdida na Alemanha. Aqui, conseguiu trabalhar intensamente em novos textos, imagens ou esculturas ou simplesmente “não fazer nada” e desfrutar do sol, do campo e das especialidades culinárias de Portugal. Achados, como conchas, molas, pedras das praias do Algarve foram incluídos no trabalho, como mostra esta exposição de forma impressionante.

Günter Grass enriqueceu a vida cultural portuguesa

Com dezenas de exposições realizadas no Algarve, Günter Grass enriqueceu activamente a vida cultural portuguesa e manteve com o escritor português José Saramago, galardoado um ano antes com o Prémio Nobel de Literatura, uma amizade duradoura.

peixe portugues
Günter Grass realizou dezenas de exposições no Algarve

No final da sua vida, Grass lamentava não poder viajar para Portugal por motivos de saúde, escrevendo no seu último livro, “Vonne Endlichkait”, “Ah, meu Portugal perdido, como sinto falta da tua costa sudoeste”.

A exposição poderá ser visitada até 4 de Março às terças-feiras, das 14.30 às 18 horas, e de quarta-feira a domingo das 10 às 18 horas.